Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

COLUNA VERTICAL



Terça-feira, 04.05.10

REUNIÃO DA CÂMARA DE 3/5/10 (extracto I)

MUSEU IBÉRICO

Pedido de esclarecimento dos vereadores do PSD 

 

Tendo em conta a gravidade da situação financeira e económica nacional, não nos parece prudente avançar para a construção do museu ibérico, com o figurino proposto, sem antes se fazer um estudo sério e credível sobre a sua sustentabilidade económica.

 

No entanto, apesar de todas as sinetas de alarme, parece que já está afastada qualquer hipótese de reavaliação do investimento, como aconselharia, neste momento, a simples prudência e bom senso.

 

Acontece que a construção do museu ibérico não levanta apenas questões ao nível do investimento, da localização ou da estética.

 

Sendo certo que a polémica causada por estas questões tem feito esquecer o essencial e que devia ser do conhecimento de todos, até para se poder avaliar e justificar o investimento público que irá ser levado a cabo.

 

Há cerca de dez anos, o Município de Abrantes firmou um protocolo, através da, então, vereadora da cultura, com a Fundação Ernesto Lourenço Estrada.

 

Sabemos que, inicialmente, esta relação se manteve através da cedência, por parte da Câmara de Abrantes, de um funcionário, um assistente-técnico de arqueologia, que viria a colaborar com a Fundação Ernesto Estrada por vários anos.

 

        Ora, gostaríamos, antes de mais, de saber (1) quais os resultados dessa colaboração duradoura e (2) se houve incorporação de espólio arqueológico municipal, fruto desta colaboração “técnica”?

 

Com efeito, na altura decorriam importantes escavações: uma no Olival Comprido, em Alferrarede, onde foi encontrada uma villae romana de dimensões apreciáveis, e, outra, em S.Facundo, no local da Saibreira, donde foram divulgados importantes vestígios pré-históricos.

 

        (3) Terá o abandono destes projectos tido alguma coisa a ver com a cedência, por vários anos, do funcionário supracitado?

 

É que, se o preço a pagar por esta cedência, foi a degradação total dos vestígios do Olival Comprido, em Alferrarede, e o abandono da escavação de S. Facundo, então parece-nos, desde já demasiado elevado.

 

Posteriormente, foi apresentado o projecto do MIAA à comunicação social, firmando-se, mais uma vez, uma alegada colaboração institucional com a Fundação Estrada. Ficámos a saber que a Fundação Estrada cedia o espólio e que o Município cedia o terreno e construía o edifício que albergaria a colecção de arte da citada fundação.

 

        Por isto, gostaríamos que (4) nos explicasse quais os verdadeiros contornos desta cedência, solicitando informação detalhada sobre este protocolo e sua evolução, entretanto, mantido em segredo.

 

Por outro lado, após uma exigente reflexão sobre este assunto, deparámo-nos com algumas dúvidas, pelo acima relatado, acerca da respectiva colecção da Fundação Estrada que se configurará como o ex-líbris do MIAA, ou seja, a sua colecção permanente.

 

Como todos sabemos, esta colecção não está imune a uma polémica que se prende, por um lado, com a origem de algumas peças e, por outro, com a autenticidade de outras.

 

        (5) É ou não é verdade que grande parte do espólio da Fundação Estrada está imersa de variadas incertezas?

 

        (6) Se sim, que percentagem da colecção está sobre suspeita de ser falsa, quanto à autenticidade, e dúbia, quanto à origem e método de apropriação pelo actual proprietário?

 

É que o catálogo editado pelo anterior executivo não esclarece a proveniência de muitas peças e não nos parece sensato acolher num Museu, que se quer Ibérico, peças sob as quais se levantam demasiadas suspeitas.

 

Segundo fomos informados, parece que está a decorrer um processo de autentificação da referida colecção, liderado pelo Drº Luiz Oosterbeek, do Instituto Politécnico de Tomar.

 

Após um ano sobre o início deste inédito processo de autentificação de obras a integrar num Museu, indagamo-nos acerca da demora na apresentação dos resultados.

 

Gostaríamos, por isso, de saber:

 

        (7) qual a percentagem de peças da colecção que é falsa?

 

        (8) E quem, do anterior executivo, atestou, segundo os critérios de verificação científica, a viabilidade artística desta agora suspeita colecção?

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

De Manuel de Castro Nunes a 10.12.2013 às 17:10

Eu, Senhor Dr. Santana Maia. Eu.
E o Senhor? Que critérios de verificação usa, senão os do interesse da sua tribo de conjurados?
O Senhor não sabe que, primeiro do que todos, fui eu quem, por encargo do homem que reuniu essa colecção, apliquei os devidos critérios científicos à sua verificação?
Quer questioná-los, não nas costas, mas frente a frente?
Hipócritas!

De MLM a 10.12.2013 às 17:30

Sabe quem modera os comentários? Os C O B A R D E S.

C O B A R D E S. :)

(PS. Não se fie no sitemeter. Pertence ao SIED) ai ai...

Comentar post



Perfil

3.jpg



Visitantes


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Quimeras


Alma, Eléctrico!


Livros

Capa - 3ª Edição.jpg

Capa - Frente.jpg

Capa Bocage.jpg 

Capa.jpg 

Eléctrico - Um Clube com Alma.jpg

Mistério Sant Quat (I).jpg


Livros-vídeo


eBooks




calendário

Maio 2010

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D