Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

COLUNA VERTICAL



Quinta-feira, 25.06.15

Um povo camaleão

Santana-Maia Leonardo - in A Terra de Ninguém (3ª edição)

Capa - 3ª Edição.jpgSe colocarem um português em França, ele é francês; se colocarem um português na Alemanha, ele é alemão; se colocarem um português na China, ele é chinês. Basta, aliás, um português pôr o pé do outro lado da fronteira para começar logo a falar espanhol.

Esta capacidade inata que nós temos de nos adaptarmos a qualquer meio foi a defesa que o nosso povo encontrou para sobreviver a condições muito adversas que lhe foram impostas pela geografia e pela história. Por um lado, o facto de sermos um povo pequeno num país com poucos recursos obrigou-nos a emigrar e a correr mundo, a maioria das vezes entregues a nós próprios. Por outro lado, o facto de termos vivido trezentos anos sob o jugo da Inquisição, cinquenta anos em ditadura e cem anos governados por associações de malfeitores politicamente organizadas, aguçou o instinto de sobrevivência. Resumindo: por força da biologia, da geografia e da história, acabámos naturalmente por nos transformar num povo-camaleão.

Mas se esta capacidade de adaptação a países e culturas diferentes é uma vantagem decisiva para quem emigra, torna-se, pelo contrário, num enorme entrave ao desenvolvimento do país para os que decidem ficar. Esta é, aliás, uma das razões por que é tão difícil ser oposição em Portugal, afrontar o poder instituído, qualquer que ele seja, ou encontrar alguém que não seja adepto do Benfica, Sporting ou Porto. Os camaleões são sempre da cor de quem ganha e de quem está na mó de cima.

E foi, precisamente, por temer que Portugal, pelas opções políticas do tempo, já tivesse na forja este povo-camaleão que Camões no final de “Os Lusíadas” (estância 152 do Canto X) faz este apelo ao Rei: “Fazei, Senhor, que nunca os admirados /  Alemães, Galos, Ítalos e Ingleses, / Possam dizer que são pera mandados,/ Mais que pera mandar, os Portugueses./ Tomai conselho só d'exprimentados / Que viram largos anos, largos meses, / Que, posto que em cientes muito cabe, / Mais em particular o experto sabe.

O Rei não fez caso do Poeta e os portugueses acabaram, naturalmente, como hoje se pode constatar, por se transformar num povo que serve mais para ser mandado do que para mandar. Com efeito, um povo camaleão é incapaz de se auto-governar porque acaba sempre por eleger camaleões, ou seja, gente incapaz de liderar, que adquire as colorações dos poderosos a quem se encosta, das modas, dos vícios e dos modelos estrangeiros, sem ter sequer capacidade de os questionar e entender.

Além disso, ao adoptarem modelos estrangeiros, os nossos governantes convencem-se de que basta importá-los e impô-los para que os portugueses passem a agir e a comportar-se como os naturais dos países de onde esses modelos foram importados. Enganam-se redondamente. Um povo-camaleão não muda a sua natureza, por força da lei. Limita-se a copiar o que os líderes fazem, sem fazer caso do que eles escrevem.     

Se o professor, o juiz, o director de uma repartição ou de uma empresa, o presidente de uma instituição ou de uma câmara forem justos, trabalhadores, competentes e diligentes, todos os camaleões que estiverem sob a sua alçada ganham estas qualidades. Se forem incompetentes, desleixados, corruptos, prepotentes, os camaleões ganham os seus defeitos.

Se queremos efectivamente construir um Portugal melhor, só há um caminho e devia começar a ser já implementado em todas as escolas e repartições deste país, através da adopção de uma medida muito simples. Todas as escolas e repartições deviam afixar um letreiro à entrada com o seguinte dizer: “Neste local são proibidos todos os regulamentos internos escritos. O nosso regulamento interno é a conduta de quem dirige este local".

Se a lei for o exemplo, acabam-se as interpretações da lei e a necessidade legislar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quinta-feira, 25.06.15

Edmund Burke (frase) e Leopoldo Serra (foto)

A frase é de Edmund Burke ("Ninguém cometeu maior erro do que aquele que nada fez só porque podia fazer muito pouco.") e a foto de Coimbra é da autoria de Leopoldo Serra.

Coimbra de Leopoldo Serra 1.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quinta-feira, 25.06.15

Às vezes, até parece que Deus existe...

Cristo-Rei.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)


Perfil

3.jpg



Visitantes


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Quimeras


Alma, Eléctrico!


Livros

Capa - 3ª Edição.jpg

Capa - Frente.jpg

Capa Bocage.jpg 

Capa.jpg 

Eléctrico - Um Clube com Alma.jpg

Mistério Sant Quat (I).jpg


Livros-vídeo


eBooks




calendário

Junho 2015

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D