Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

COLUNA VERTICAL



Quarta-feira, 31.08.16

O chefe e o líder

O pastor.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

Terça-feira, 30.08.16

Pensamento(s) de Edmund Burke

Filósofo e político conservador irlandês

nasceu a 12 de Janeiro de 1729  e faleceu em 9 de Julho de 1797

edmund-burke-1.jpg

«Ninguém cometeu maior erro do que aquele que nada fez só porque podia fazer muito pouco.»

«O mundo é um lugar perigoso de se viver, não por causa daqueles  que fazem o mal, mas sim por causa daqueles que o vêem fazer e deixam acontecer.»

«A aristocracia natural é uma voz permanente, serena mas firme, num oceano de mudança, que simplesmente aguarda o regresso do bom senso e do bom gosto.»

«O rei pode fazer um nobre, mas não um gentleman.»

«É irresponsável sacrificar uma geração em prol do bem da nação, empurrar comunidades inteiras para a pobreza ou destruir instituições que funcionam bem para assegurar um estado supostamente paradisíaco no futuro longínquo»

«Quando a estabilidade do navio é colocada em perigo por um excesso de peso num dos seus lados, estou disposto a levar o pequeno peso que representam as minhas razões para o lado oposto a fim de tentar estabelecer o equilíbrio»

«No meio de um povo geralmente corrupto a liberdade não pode durar muito.»

«A nossa pátria, para se fazer amar, deve ser amável.»

«Todas as sociedades precisam de um poder de controlo vindo de algum lugar: quanto menos ele vem de dentro, da adopção voluntária, mais ele virá de fora, da imposição de um poder central.»

«Quem confunde o bem com o mal é inimigo do bem.»

«O mundo moral admite monstros que o mundo físico rejeita.»

«A duração [das tradições e das instituições] não é valiosa para aqueles que pensam que pouco ou nada foi feito antes do seu tempo.»

«As pessoas não serão capazes de olhar para a posteridade se não tiverem em consideração a experiência dos seus antepassados.»

«As tradições são o banco geral e o capital das nações e das eras.» 

«Nunca  a Natureza afirma uma coisa e a sabedoria outra porque a lei da Natureza é a lei de Deus.» 

«A arte é a natureza do homem.» 

«Odeio a tirania. Mas odeio-a sobretudo quando são muitos os que estão envolvidos nela. A tirania de uma multidão é uma tirania multiplicada.»

«Em todos os governos, o mais seguro teste de excelência é a publicidade da sua administração, porque onde quer que haja secretismo, está implícita injustiça.»

«Sempre que há mistério em qualquer assunto de governação, deve presumir-se que há fraude; sempre que há encobrimento em matéria de dinheiro, deve presumir-se que houve má administração.»

«A harmonia social só é possível quando o povo se tiver esvaziado de toda a cobiça da sua vontade egoísta, coisa que, sem religião, é absolutamente impossível que consiga realizar.»

«A glória e a felicidade de um representante devem consistir em viver em estreita união, na mais estreita correspondência e na mais franca comunicação com os seus eleitores. É seu dever sacrificar o seu repouso, o seu prazer, as suas satisfações às deles e, acima de tudo, sempre e em qualquer caso, preferir o interesse deles ao seu. Mas não deve sacrificar-vos a sua opinião isenta, o seu juízo maduro, a sua consciência esclarecida; nem a vós, nem a homem nenhum, nem a nenhum grupo de homens existente. O vosso representante deve-vos, não apenas a sua diligência, mas o seu discernimento, e trai-vos, em vez de vos servir, se o sacrificar à vossa opinião.»

«Nunca existiu um homem que pensasse que não havia outra lei senão a sua própria vontade, que não descobrisse rapidamente que não tinha outro fim para as suas acções senão o seu próprio lucro. Todos os homens detentores de um poder incontrolado e discricionário que conduzisse ao engrandecimento e proveito da sua própria pessoa, acabaram sempre por abusar dele.»

«O candidato, em vez de confiar a sua eleição ao testemunho do seu comportamento no Parlamento, deve confiá-la ao testemunho de uma larga soma de dinheiro, ao poder de servir e cortejar os dirigentes das corporações, e de conquistar os dirigentes populares dos clubes políticos, das associações e dos bairros. Em quase todas as eleições de que tive conhecimento, era dez vez mil vezes mais necessário mostrar que se era um homem de poder do que se mostrar que se era um homem íntegro.»

«A lei humana pode ser rectamente mudada, na medida em que essa mudança responda a uma utilidade pública. Mas, em si mesma, a mudança da lei acarreta um certo detrimento para o bem da comunidade. Porque para a observância da lei contribui em muito o costume; a ponto que o que se faz contra o costume geral, mesmo que, em si mesmo, seja leve é, na verdade, grave. Porque, quando é mudada, a lei perde a sua força obrigatória, na medida em que destrói o costume. Portanto, a lei humana nunca deve ser mudada, a menos que, por outra parte, haja compensação para o bem comum relativa à parte derrogada da lei. E isto acontece: ou porque da nova disposição legal provém uma utilidade máxima e evidentíssima, ou porque havia máxima necessidade da mudança.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Segunda-feira, 29.08.16

A marca das eleições

.facebook_1470750909198.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

Domingo, 28.08.16

Mandar e comandar

Santana-Maia Leonardo - in Nova Aliança de 19/7/2009

0 SM 1.jpg

Como é fácil de constatar, o grande problema do nosso país reside única e exclusivamente nas suas elites. Basta ver que os trabalhadores portugueses que conseguem elevar o Luxemburgo ao país com maior taxa de produtividade da União Europeia são feitos da mesma cepa daqueles que, em Portugal, nos afundam na cauda da Europa. A diferença não está, pois, nos trabalhadores, mas nos seus directores e dirigentes.

Como dizia ainda recentemente António Cerejeira, director de recursos humanos da IBM: «O que faz a diferença são as pessoas. Se tivermos empregados motivados, isso terá impacto no resultado». Acontece que os nossos dirigentes, mal se apanham no poleiro, transformam-se completamente. Como diz o povo, «se queres ver um pobre soberbo, dá-lhe a chave de um palheiro».

Fui o 1.º classificado do curso de oficiais de Mafra e fiz o serviço militar no BIMec de Santa Margarida. A minha companhia era sempre escolhida para as demonstrações, devido ao seu elevado grau de operacionalidade.

A explicação para o sucesso da minha companhia é muito fácil de perceber. Nas outras companhias, os oficiais distinguiam-se por vestir casaco de cabedal, usar óculos escuros e dar ordens. Na minha companhia, os oficiais não se distinguiam dos soldados por nenhuma peça de vestuário porque só usavam as peças de vestuário que os soldados podiam usar. Na minha companhia, os oficiais distinguiam-se dos soldados por outras razões: nos exercícios, o oficial era o primeiro a fazê-los; nas refeições, o oficial era o último a ser servido.

E é assim que deve ser. Há uma grande diferença entre mandar e comandar. Quem manda dá ordens; quem comanda dá o exemplo. À medida que se sobe na escala hierárquica, devem aumentar as obrigações e diminuir os direitos.

Mas este é um mal português muito antigo. Já Camões se queixava disso mesmo ao rei D. Sebastião, no final do Canto X de “Os Lusíadas”: «Fazei, Senhor, que nunca os admirados/ Alemães, Galos, Ítalos e Ingleses,/ Possam dizer que são pera mandados,/ Mais que pera mandar, os Portugueses

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sábado, 27.08.16

Confirme os sintomas para ver se sofre da doença

Economista.jpeg

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sexta-feira, 26.08.16

Salgueiro Maia

TERRA-DE-NINGUEM_-_Capa_large.jpg

Se não fosse Salgueiro Maia ser alentejano de Castelo de Vide, a Revolução do 25 de Abril tinha acabado mal. Mas vamos lá refrescar a memória.

Como bem se recordam, na fase mais aguda do cerco ao Quartel do Carmo, tardando a rendição de Marcelo Caetano, Salgueiro Maia recebeu ordens expressas de Otelo Saraiva de Carvalho para abrir fogo contra o Quartel. E o que é que respondeu o Capitão de Abril? Respondeu à alentejana: "Ó Otelo, sossega! É a falar que a gente se entende."

De seguida, foi buscar o farnel (um tinto de Borba, um paio, um pata negra e um pãozinho alentejano), sacou da navalha e pediu para falar com o Presidente do Conselho.

Quando lá chegou, Marcelo Caetano estava na fossa. Salgueiro Maia poisou o vinho sobre a mesa e cortou umas fatias de paio, de presunto e de pão. Conversa puxa conversa, vai mais um tinto, vai mais uma talisca de presunto... Até que Salgueiro Maia se sai com esta: "Ó senhor Presidente, por que é que não vai passar umas férias ao Brasil?"

O homem até ganhou uma corzinha. "Era mesmo isso que eu precisava. Mas como é que eu saio daqui?" "Não se preocupe com isso que eu levo-o já ao aeroporto." E foi, desta forma tranquilamente alentejana, sem precisar de dar um tiro, que o alentejano Salgueiro Maia pôs fim a uma ditadura de meio século. Alentejano duma cana!

Ponte de Sor, 13 de Dezembro de 2014

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quinta-feira, 25.08.16

Brasil, meu irmão

Autoria e outros dados (tags, etc)

Terça-feira, 23.08.16

Campeonato de futebol ou circo romano?

Santana-Maia Leonardo

0 SM 1.jpg

O que Benfica de Lisboa, FC Porto e Sporting de Lisboa querem objectivamente, como ficou mais uma vez demonstrado com a reacção pública da entourage benfiquista, onde se inclui obviamente uma comunicação social servil, ao empate cedido perante o Vitória, não é um campeonato de futebol mas um circo romano onde as outras equipas fazem o papel de cristãos destinados a serem devorados pelas feras para gáudio das turbas romanas que enchem as bancadas do circo.

E quando algum cristão, despojado de armas e com as próprias mãos, consegue derrotar alguma fera ou amansá-la, a turba indigna-se contra o chefe do circo por terem lançado o cristão às feras sem, antes, lhe terem amarrado as mãos atrás das costas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Domingo, 21.08.16

Liderança é isto!

Uma menina, de 13 anos, ganhou um prémio e foi cantar o hino dos EUA, num jogo da NBA. Vinte mil pessoas no estádio. Ela afinada e compenetrada. De repente, o braço tremeu, engasgou-se, esqueceu-se da letra... e DEU-LHE UMA BRANCA!!! Treze anos, sozinha, ali no meio, e o público ameaça uma VAIA.

No entanto, Mo Cheeks, técnico dos Portland Trail Blazers, aparece ao seu lado e começa a cantar, incentivando-a, e trazendo o público. Só o técnico tomou a iniciativa de ir até lá para ajudar, enquanto à volta dela começava-se a ensaiar a vaia. Mo Cheeks mostra o que é liderança e como uma atitude de apoio, NA HORA CERTA, pode fazer uma grande diferença, para ajudarmos a mudar a história do JOGO da vida.

Será que isso já não nos aconteceu? E a nossa atitude, foi como a do técnico Mo Cheeks ou como a de todos os outros que estavam à sua volta?

HÁ PESSOAS QUE ESTÃO NO MUNDO PARA AJUDAR... OUTRAS PARA VAIAR.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sexta-feira, 19.08.16

Vasco da Gama

TERRA-DE-NINGUEM_-_Capa_large.jpg

Quando Bartolomeu Dias chegou a Lisboa, depois de ter dobrado o Cabo da Boa Esperança, com aquela conversa tão portuguesa de que a Índia era muito longe, D. João II, alentejano de alma e coração, tanto assim que passava a maior parte do tempo em Évora, percebeu logo que só um alentejano é que conseguia lá chegar.

D. João II conhecia o nosso povo como a palma das suas mãos. Em qualquer empreendimento, os portugueses arrancam sempre a toda a velocidade mas, na primeira subida, ficam logo com os bofes de fora. Ao contrário, os alentejanos, com o seu passinho de lesma, chegam a todo o lado num instante.

E como Vasco da Gama tinha experiência de mar porque costumava ir dormir a sesta com a namorada para a ilha do Pessegueiro, D. João II decidiu-se por  ele. Mandou-o chamar e disse-lhe: "Tens de levar o Bartolomeu até à Índia porque ele não consegue lá chegar sozinho." E o Vasco da Gama, que sabia falar inglês, respondeu: "Ok." Os alentejanos são de poucas falas. É por esta razão que os sonetos no Alentejo só têm quatro versos. Tu aqui ou desembuchas depressa ou a gente vai-se deitar.

Quando regressou da viagem, o rei D. Manuel quis saber se a Índia era muito longe: "Longe? É já ali ao virar da esquina". E foi, assim, graças ao passinho de lesma de um alentejano que os portugueses chegaram à Índia.

E os Descobrimentos só não foram um sucesso maior porque a maioria das naus eram comandadas por portugueses armados em carapaus de corrida. Iam sempre "prego na chapa" e depois, quando chegavam à curva em cotovelo, a nau dava duas cambalhotas e ia tudo ao fundo. Ou seja, o Cabo da Boa Esperança rapidamente se transformou em Cabo das Tormentas. E quem é que era o culpado? À boa maneira portuguesa, o culpado nunca eram eles, era sempre o Adamastor. Enfim, com gente desta, nunca chegamos a lado nenhum.

Ponte de Sor, 13 de Dezembro de 2014

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sexta-feira, 19.08.16

Os direitos humanos

Dtos Humanos.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quinta-feira, 18.08.16

A Raiva e o Orgulho

Extractos do livro " A RAIVA E O ORGULHO" de Oriana Fallaci

*escrito em Setembro de 2001, após os atentados de 11 de Setembro

Raiva e Orgulho.jpg

 

«Há momentos na Vida em que calar se torna uma culpa e falar uma obrigação. Um dever cívico, um desafio moral, um imperativo categórico a que não podemos fugir.» (pág. 14)

«Para mim, escrever é uma coisa muito séria. Não é uma brincadeira, uma distracção ou um desabafo. Não o é porque nunca me esqueço que de que as coisas escritas podem fazer um grande bem e também um grande mal, curar ou matar. Estuda a História e verás que, por detrás de cada acontecimento de Bem ou Mal, há sempre um escrito. Um livro, um artigo, um manifesto, uma poesia, uma oração, uma canção.» (pág. 19-20)

«O Passado é uma escola que não se pode prescindir, porque, quando não se conhece o Passado, não se poderá entender o Presente nem tentar influenciar o Futuro com os sonhos e as fantasias.» (pag.117)

«É um país tão dividido, a Itália! Tão faccioso, tão envenenado pelas suas mesquinhices tribais! Odeiam-se mesmo no interior dos partidos políticos, na Itália. Não conseguem manter-se unidos nem quando têm o mesmo emblema. Ciumentos, biliosos, vaidosos e mesquinhos, só pensam nos seus interesses pessoais. Só se preocupam com a sua carreirinha, com a sua gloriazinha, com a sua popularidade superficial e supérflua. Pelos seus interesses pessoais tornam-se despeitados e traem-se uns aos outros...» (pág.73-74)

«Os budistas nunca usam a palavra "inimigo". Apurei que nunca fizeram prosélitos com violência, nunca efectuaram conquistas territoriais a pretexto da religião e nem sequer concebem o conceito de Guerra Santa.» (pág.125)

«A Itália produz mais cavalieri e commendatori que brutamontes e vira-casacas. Uma vez um Presidente da República queria meter-me nesse montão. Para o impedir, tive de lhe mandar dizer que, se o tentasse, mover-lhe-ia um processo por difamação.» (pág.163-164)

«Porque está definida há muitos séculos e é muito precisa, a nossa identidade cultural não pode suportar uma onda migratória composta por pessoas que, de uma forma ou de outra, querem mudar o nosso sistema de vida. Os nossos princípios, os nossos valores.» (pág.145-146)

«Estou a dizer que não há lugar para os muezins, para os minaretes, para os falsos abstémios, para o maldito chador e o ainda mais maldito burkah.» (pág. 146)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quarta-feira, 17.08.16

Francisca Gomes, a vencedora da I FestFado do Alto Alentejo, vai cantar em Abrantes no dia 18 na Praça Raimundo Soares

Fado Amador.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

Terça-feira, 16.08.16

O Direito, a Moral e a Ética

Santana-Maia Leonardo - Diário As Beiras

0 SM 1.jpgNão devemos, obviamente, confundir o Direito, a Moral e a Ética, porque se tratam de três conceitos diferentes e que visam realidades diferentes. No entanto, isso não significa, como hoje muito boa gente por aí apregoa, que não estejam interligados.

O Direito tem a ver com os actos, a Moral com os hábitos e a Ética com a configuração do carácter. Ora, uma sequência de actos vai gerando em nós a tendência para os repetir. Por sua vez, a aquisição de bons hábitos conduz necessariamente à estruturação do carácter.

Acontece que o problema português reside precisamente no nosso direito que impede, com a sua volatilidade, a aquisição de bons hábitos. Com efeito, as nossas leis, ao serem alteradas e interpretadas, sistematicamente, ao sabor das conveniências do legislador e dos seus amigos, perderam há muito o seu carácter sagrado e intemporal, deixando de ser respeitadas não só pelo cidadão comum como também por quem tem a obrigação de as fazer cumprir.

A Constituição inglesa é a mais antiga do mundo e não é escrita. Em Portugal, pelo contrário, tem de estar tudo escrito, porque, se não estiver escrito, ninguém sabe se pode ou não pode passar um cheque “careca”, matar uma mosca ou assaltar um banco.

No entanto, apesar de sermos um povo tão zeloso na elaboração das suas leis em que tudo tem de estar escrito tim-tim por tim-tim, falta sempre qualquer coisa quando se trata de as aplicar a algum governante ou amigo apanhado com a "boca na botija". Neste casos, a solução nunca é aplicar a lei mas aperfeiçoá-la ainda mais para que, da próxima vez, não haja qualquer dúvida de que o comportamento é ilícito e deve ser punido. Se bem que, da próxima vez que isso acontecer, vai-se chegar forçosamente à conclusão de que a lei, afinal, ainda não é suficientemente explícita pelo que será necessário voltar a aperfeiçoá-la para que possa ser aplicada da próxima vez. Ou seja, os aperfeiçoamentos da lei, em Portugal, servem sempre para limpar condutas ilícitas actuais fazendo crer que a lei vigente as permitia.

Moral da história: com um Direito como o nosso, não há moral que vingue nem carácter que não vergue.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Segunda-feira, 15.08.16

O animal mais perigoso do mundo

Tubarão.jpeg

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 1/2



Perfil

3.jpg



Visitantes


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Quimeras


Alma, Eléctrico!


Livros

Capa - 3ª Edição.jpg

Capa - Frente.jpg

Capa Bocage.jpg 

Capa.jpg 

Eléctrico - Um Clube com Alma.jpg

Mistério Sant Quat (I).jpg


Livros-vídeo


eBooks




calendário

Agosto 2016

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D