Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

COLUNA VERTICAL



Sábado, 31.12.16

Bom Ano Novo - Postal de Maria Isabel Clara

Ano Novo 2017.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quinta-feira, 29.12.16

Errado é pensar que só eu tenho razão

6-9.jpg

Santana-Maia Leonardo - Jornal do Alto Alentejo

0 SM 1.jpg

Amartya Sen, vencedor do prémio Nobel da Economia, no seu livro "A Ideia de Justiça", através da parábola das "Três crianças e uma flauta", ajuda-nos a perceber como é possível coexistirem diferentes soluções justas para o mesmo problema que, inclusivamente, rivalizam entre si, sem que se possa colocar em causa a imparcialidade de quem as defende.

Imagine o leitor que existem três crianças, o José, o Manuel e o António que querem a mesma flauta e que caberá ao leitor a decisão.

Segundo o José, deveria ser ele a ficar com a flauta porque é o único que sabe tocar flauta. Sem ouvir os outros dois, parece, logo à partida, ser esta solução mais justa.

Por sua vez, o Manuel considera que a flauta deveria ficar para ele porque é o único dos três que é pobre e não tem qualquer brinquedo, sendo este o único brinquedo de que disporia para poder brincar, ao contrário dos outros. Colocada a questão desta forma, também parece ser esta uma solução igualmente justa.

Finalmente, defende o António que deveria ser ele a ficar com a flauta porque foi ele que a construiu, tendo levado vários meses a trabalhar, com as suas próprias mãos, para conseguir construir a flauta. Ou seja, analisando as três razões, chegamos forçosamente à conclusão que todas elas são defensáveis e igualmente justas, sendo muito difícil a decisão para uma pessoa imparcial e que queira ser justa.

 É precisamente aqui, no momento da decisão, que entra a perspectiva ideológica. O Manuel teria certamente o apoio daqueles que defendem a redução do fosso entre ricos e pobres (os igualitaristas económicos). Por sua vez, o António obteria o apoio dos libertários (sejam os liberais, sejam os socialistas que defendem o princípio "a cada um segundo o seu trabalho"). Finalmente, o José receberia certamente o apoio dos utilitaristas que valorizariam o facto de ser o único que sabia tocar flauta.

Razão tem Karl Popper quando afirma que "ninguém sabe o suficiente para ser intolerante". Mesmo quando nos parece que a nossa solução é a mais justa, temos de ter sempre a prudência para reconhecer que podem existir outras soluções igualmente justas e que divirjam da nossa, sem que os seus interlocutores estejam necessariamente de má fé ou sejam desonestos.

O direito à liberdade de expressão e de opinião é, por isso, a trave-mestra das sociedades abertas. Como dizia Voltaire, «não concordo com o que dizes mas defenderei até à morte a liberdade de o dizeres.» Mas se queremos lutar por uma sociedade cada vez mais justa, não basta defender o direito à liberdade de expressão é necessário combater militantemente o unanimismo que caracteriza as sociedades fechadas, seguindo o conselho de Edmund Burke: «Quando a estabilidade do navio é colocada em perigo por um excesso de peso num dos seus lados, estou disposto a levar o pequeno peso que representam as minhas razões para o lado oposto a fim de tentar estabelecer o equilíbrio». E uma das características típicas das nossas instituições sempre foi o excesso de peso num dos seus lados. Não é, pois, de estranhar que estejam sempre a meter água e a ir ao fundo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Terça-feira, 27.12.16

É garantido!

Pai Natal.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

Terça-feira, 27.12.16

A festa da família

TERRA-DE-NINGUEM_-_Capa_large.jpg

O Natal é a Festa da Família. Ou seja, a festa da instituição que a revolução cultural em curso pretende destruir, levada a cabo pelos mesmos sectores que antes apoiaram o colectivismo igualitário contra as sociedades liberais. O próprio estado social, ao transferir para o "Pai-Estado" as responsabilidades que antes eram asseguradas pelas famílias e pela comunidade onde estavam inseridas, acabou por contribuir para a destruição dos laços de solidariedade familiar e, consequentemente, para a implantação de um individualismo acabado e extremo que odeia a família tradicional e que, todos os dias, sonha com a sua destruição.

Acontece que o desmoronamento do estado social a que estamos e vamos continuar a assistir vai, inevitavelmente, fazer ressurgir das cinzas, ainda com mais força e mais revigorada, a instituição familiar que os heterofóbicos e os socialistas (lato sensu) procuraram e procuram, a todo o custo, dinamitar e destruir.

Na hora da aflição, é na família que o homem encontra a salvação.

Dezembro de 2010

Autoria e outros dados (tags, etc)

Segunda-feira, 26.12.16

Nasceu a Menina!

.facebook_1449349889954.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

Domingo, 25.12.16

História Antiga

Miguel Torga - Antologia Poética - Coimbra, Ed. do Autor, 1981

Miguel Torga 1.jpg

Era uma vez, lá na Judeia, um rei.
Feio bicho, de resto:
Uma cara de burro sem cabresto
E duas grandes tranças.
A gente olhava, reparava, e via
Que naquela figura não havia
Olhos de quem gosta de crianças.

E, na verdade, assim acontecia.
Porque um dia,
O malvado,
Só por ter o poder de quem é rei
Por não ter coração,
Sem mais nem menos,
Mandou matar quantos eram pequenos
Nas cidades e aldeias da Nação.

Mas,
Por acaso ou milagre, aconteceu
Que, num burrinho pela areia fora,
Fugiu
Daquelas mãos de sangue um pequenito
Que o vivo sol da vida acarinhou;
E bastou
Esse palmo de sonho
Para encher este mundo de alegria;
Para crescer, ser Deus;
E meter no inferno o tal das tranças,
Só porque ele não gostava de crianças.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Domingo, 25.12.16

Feliz Natal - Postal de Natal de Pedro Albuquerque

Postal de Natal 2016.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sábado, 24.12.16

É Natal!

Santana-Maia Leonardo - Diário As Beiras de 7-12-2015 

0 SM 1.jpg

Reconheço-me na herança judaico-cristã, mas não sou cristão, nem crente. Aliás, com o passar dos anos, cada vez são menos as coisas em que acredito e em Deus já deixei de acreditar há muito tempo. Isso não significa, obviamente, que não acredite no Bem e no Mal (por enquanto) ou que partilhe a opinião tão em voga de que tudo é relativo.

Acontece que o exemplo dos cristãos que fui conhecendo ao longo da vida, salvo muito raras excepções, em vez de me fazerem aproximar da Igreja, apenas contribuíram para que fugisse dela a sete pés.

E o Natal não é, infelizmente, uma quadra que abone muito em relação ao verdadeiro espírito do cristão. Basta entrar num centro comercial e ver toda aquela azáfama de cristãos a gastar o que lhes faz falta (a eles e a muita gente) num sem número de brinquedos, jogos e prendas absolutamente inúteis e que não vão contribuir, em boa verdade, para a felicidade de ninguém, para se ficar logo vacinado contra o espírito natalício e a cristandade.

Até hoje ainda nunca comprei uma prenda de Natal aos meus filhos. E também não vai ser ainda este ano. Espírito de contradição? Provavelmente, mas sobretudo porque gostava deles e tinha a perfeita consciência de que comprar um brinquedo a quem já tinha brinquedos em excesso era extremamente prejudicial para a sua formação.

E não só não lhes comprei brinquedos pelo Natal como os incentivava a desfazerem-se da maior parte dos que tinham e recebiam, mais que não fosse para poderem valorizar os brinquedos com que ficavam. Além disso, a selecção de brinquedos tinha ainda a enorme vantagem de fazer felizes outras crianças que não tinham brinquedos. Era o chamado efeito dois em um: fazia bem aos meus filhos, que se livravam de brinquedos inúteis e que literalmente os asfixiavam, e fazia felizes aqueles que os recebiam e que, por terem poucos ou nenhuns, lhes davam uma atenção que na minha casa seria impossível de encontrar.

É verdade que, de vez em quando, ainda se vê e ouve por aí uma alma caridosa em campanha de recolhas de brinquedos usados para distribuir pelos infelizes. Mas, em regra, estas campanhas são aproveitadas pelos cristãos apenas com a finalidade de libertar espaço em sua casa para que esta possa receber a nova colecção de inutilidades que já não incluem apenas brinquedos, mas uma série de jogos, equipamentos e adereços quase sempre tão caros quão perniciosos. Hoje em dia uma família cristã já não consegue viver sem atafulhar os quartos dos seus jovens rebentos com doses maciças destas inutilidades. O excesso de brinquedos atrofia a imaginação e amolece o carácter. Mas quem não tem tempo para os filhos têm de os compensar com alguma coisa. E pelo número de brinquedos e jogos de uma criança, facilmente se avalia o tempo que os pais lhe dedicam.

Para quem não saiba, é muito fácil distinguir um bom pai de um mau pai: o bom pai faz o que tem de ser feito porque gosta dos filhos, o mau pai faz o que for preciso para que os filhos gostem dele. Não é fácil ser um bom pai. Por isso, há tão poucos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sábado, 24.12.16

Feliz Natal

Boas Festas 2016B2.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sexta-feira, 23.12.16

O conteúdo da democracia

Amartya Sen (*)in "A Ideia de Justiça"

A ideia de justiça.jpg

A democracia significa um governo pela discussão. (...)

Na filosofia contemporânea, o entendimento da democracia tem-se vindo a alargar consideravelmente, a tal ponto que a democracia já não é apenas vista em termos de uma reivindicação de votação pública, mas, de modo muito mais amplo, em termos daquilo a que John Rawls chama «o exercício da razão pública». (...)

As votações têm, com certeza, um importante papel, mesmo para a expressão e eficácia do processo de argumentação pública, mas não são a única coisa que conta, e nelas não temos de ver senão uma parte - reconhecidamente de grande importância - do modo como a argumentação pública há-de operar numa sociedade democrática. Na verdade, a eficácia das votações, ela própria, depende de modo crucial de tudo o que elas implicam, ou seja, de coisas como a liberdade de expressão, o acesso à informação e a liberdade de dissentir. Em si mesmo, o voto pode até ser inteiramente inadequado, o que é abundantemente ilustrado pelas esmagadores vitórias eleitorais das tiranias que se instalaram em regimes autoritários, seja em tempos idos, seja no presente. (...)

No mundo, houve já muitos ditadores que alcançaram vitórias eleitorais gigantescas, mesmo sem usarem de qualquer coerção visível durante o processo de votação, sobretudo porque suprimiam a discussão pública e a liberdade de informação, além de se aplicarem na criação de um geral clima de apreensão e ansiedade.

_________________________

(*) Vencedor do Prémio Nobel da Economia

Autoria e outros dados (tags, etc)

Terça-feira, 20.12.16

O princípio da igualdade à luz do direito português e tal como nos é ensinado na escola

Escola.jpg

A nossa escola reproduz na perfeição o nosso modelo de sociedade, seja na Política, na Justiça, na Economia, na Liga de Clubes, na Coesão Territorial...

Se não fosse a escola, como aceitariam os portugueses, com tanta bonomia e passividade, tanta discriminação com base exclusivamente no poder do dinheiro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Segunda-feira, 19.12.16

Beethoven, o génio da Liberdade

Fez dia 17 de Dezembro, 246 anos que Ludwig van Beethoven foi baptizado em Bonn, provavelmente um dia depois do seu nascimento.

Para mim, é o maior músico de todos os tempos, porque, para além da genialidade como compositor, a sua obra é um hino à Liberdade, em todos os aspectos: a liberdade política, a liberdade artística do indivíduo, sua liberdade de escolha, de credo e a liberdade individual em todos os aspectos da vida.

E, para mim, a Liberdade é o valor supremo.

É, por isso, também inteiramente merecido que tenha sido escolhida a sua 9ª Sinfonia como Hino da União Europeia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sábado, 17.12.16

No final do mandato, recordar a razão por que me candidatei

Recordo aqui, no final do meu mandato como presidente da delegação de Abrantes da Ordem dos Advogados, a razão da minha candidatura em 2013.

Infelizmente não foi possível travar uma das reformas mais estúpidas levadas a cabo por um Governo português, tendo em conta que a ministra da Justiça bem sabia que não dispunha nem dos meios financeiros, nem dos meios logísticos, nem dos meios humanos, nem dos meios tecnológicos para levar a cabo uma reforma desta envergadura.

Agora, andamos, à boa maneira portuguesa, a remediar o mal feito.

Em Janeiro, Família e Menores vai regressar, de novo, ao Tribunal de Abrantes de onde nunca deveria ter saído e o Tribunal de Mação vai voltar a abrir portas.

Mas as feridas são muito profundas e as lesões provocadas nas zonas de baixa densidade do interior do país são irreversíveis.

----------------------------------------------------------   

Santana-Maia Leonardo - 15 de Dezembro de 2013

0 SM 1.jpg

O Círculo Judicial de Abrantes é um pilar fundamental para a sustentabilidade da ponte que liga Santarém e Portalegre, duas capitais de distrito demasiado distantes entre si, uma vez que estão situadas em pontas opostas dos respectivos distritos. Sem o Círculo Judicial de Abrantes, o vão da ponte é demasiado grande, levando a que Portugal rache ao meio com a consequente fuga das populações para as cidades fronteiriças, quer de Espanha, quer da A1, que se está a transformar na verdadeira fronteira portuguesa.

O Círculo de Abrantes, recordo, engloba os concelhos de Abrantes, Ponte de Sor, Gavião, Alter (parte), Entroncamento, Mação, Sardoal e Golegã. Ora, com o novo mapa judiciário, o Círculo de Abrantes é partido ao meio, ficando metade no distrito judicial de Santarém (Abrantes, Entroncamento, Mação, Sardoal e Golegã) e metade no distrito judicial de Portalegre (Ponte de Sor, Gavião e Alter). Ou seja, concelhos que sempre estiveram ligados umbilicalmente e fizeram vida juntos, como é o caso de Ponte de Sor, Gavião e Abrantes, são arrancados à sua família natural e atirados para longe, ficando Abrantes e Ponte de Sor a marinar na ponta esquecida dos respectivos distritos para serem comidas e digeridas gradualmente pelas capitais dos seus distritos.

Abrantes, saliente-se, é a única cidade sede de Círculo Judicial que fica sem tribunal de competências reforçadas. Para se perceber a irracionalidade criminosa do novo mapa judiciário, basta atender no seguinte: a distância entre Santarém e Aveiro é, sensivelmente, a mesma que entre Santarém e Portalegre. Entre Santarém e Portalegre, só havia um círculo judicial e um Tribunal do Trabalho: Abrantes, que desaparecem do novo mapa judiciário. Por sua vez, entre Santarém e Aveiro, o novo mapa judiciário apresenta dez tribunais com competências reforçadas: Caldas da Rainha, Alcobaça, Tomar, Leiria, Pombal, Figueira da Foz, Coimbra, Águeda, Oliveira do Bairro e Aveiro. Sem esquecer que Santarém tem a sul, a cerca de 50 km, Vila Franca de Xira que, recorde-se, dista apenas 20 minutos do novo Campus da Justiça.

Como facilmente se constata, o novo mapa judiciário vai acentuar o já íngreme declive do nosso território em direcção ao litoral e afirmar, definitivamente, a A1 como a verdadeira fronteira de Portugal. No novo mapa judiciário, só as cidades fronteiriças da A1 e da fronteira espanhola são consideradas, o que vai acentuar inevitavelmente o esvaziamento do miolo do país.

Ora, isto é totalmente inadmissível para quem, como eu, recusa liminarmente as sucessivas políticas governamentais que visam reduzir Portugal ao pequeno território entre Lisboa e Porto delimitado pela A1.

Esta é, pois, a principal razão por que decidi candidatar-me a presidente da delegação de Abrantes da Ordem dos Advogados para o triénio 2014-2016, numa lista que integra também os meus colegas Dr. A. Bispo Chambel e Dr.ª Mariana Macide. Era importante que as populações do Círculo Judicial de Abrantes compreendessem que mais importante do que a defesa deste ou daquele tribunal de competência reforçada, o que está aqui em causa é a unidade nacional e a defesa da integridade do território que são completamente postas em causa pelo desenho do novo mapa judiciário.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sexta-feira, 16.12.16

A nova bandeira da União Europeia

UE.jpeg

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quarta-feira, 14.12.16

O vídeo-árbitro

Santana-Maia Leonardo

0 SM 1.jpg

Perante a evidência da batota com que se conquistam gloriosamente os campeonatos portugueses, é na tecnologia que os defensores da verdade desportiva depositam agora todas as esperanças. Testemos, então, a tecnologia num caso flagrante para vermos o resultado. No jogo Benfica – Sporting, existe um lance que, visto frontalmente, não deixa qualquer dúvida de que é grande penalidade: o lance de Pizzi em que este direcciona a bola com o braço direito e que antecede o primeiro golo do Benfica. O árbitro pode não se ter apercebido mas o lance visto pela câmara frontal é categórico.

No entanto, se lermos as opiniões dos vários vídeo-árbitros que comentam este lance nos diferentes jornais e que tiveram a oportunidade de ver e rever o lance até à exaustão, durante mais de 12 horas, chegamos à conclusão que a tecnologia não tem a virtualidade de alterar o carácter dos batoteiros.

Para um povo em que o que importa é ganhar nem que seja com um golo marcado com a mão e em fora de jogo, não há tecnologia que valha… Um batoteiro não deixa de ser batoteiro com um vídeo à frente.

Escrevo artigos de opinião, em jornais nacionais e regionais (de norte a sul do país, ilhas incluído), desde os meus 12 anos, ou seja, desde 1970. Apesar de gostar muito de futebol, quer como espectador, quer como jogador, nunca escrevi, até ao ano passado, um único artigo de opinião que versasse sobre o futebol porque olhei sempre para o futebol como um entretenimento e um jogo, nunca lhe tendo dado qualquer relevância política.

Só depois de ler o estudo da UEFA publicado no ano passado sobre a relação dos adeptos com os clubes em cada país, percebi que o futebol português reproduz, na perfeição, essa forma tão especial de ser português: péssimos patrões, óptimos capatazes; reverentes com os de cima, implacáveis com os de baixo. 

O português prefere sempre bajular os grandes a associar-se aos seus iguais ou ao seu vizinho para fazer frente aos grandes. Veja-se o caso dos autarcas em que preferem sempre bajular Lisboa (e, se possível, passar a perna ao vizinho do lado) a associar-se aos concelhos vizinhos para fazer frente Lisboa. Com o vizinho é uma rivalidade de morte; com Lisboa é sempre de chapéu na mão. No futebol e no resto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 1/2



Perfil

3.jpg



Visitantes


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Quimeras


Alma, Eléctrico!


Livros

Capa - 3ª Edição.jpg

Capa - Frente.jpg

Capa Bocage.jpg 

Capa.jpg 

Eléctrico - Um Clube com Alma.jpg

Mistério Sant Quat (I).jpg


Livros-vídeo


eBooks




calendário

Dezembro 2016

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D