Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

COLUNA VERTICAL



Sexta-feira, 26.06.09

MUSEU IBÉRICO DE ARTE E ARQUEOLOGIA

por António Castelbranco

 
O projecto para o Museu Ibérico de Arte e Arqueologia pode ser interpretado da seguinte forma: É uma ideia que à partida até pode parecer apelativa e à moda dos grandes centros urbanos, das cidades cosmopolitas, mas que, em Abrantes, não encontra o contexto necessário para uma existência pacífica como o centro histórico onde se quer localizar e impor.
 
 Trata se de uma proposta muito simples: é um paralelepípedo - provavelmente - em betão branco e sem quaisquer aberturas nas fachadas (ao estilo do Pavilhão do Conhecimento na Expo 98, que é do mesmo arquitecto) com uma altura de aproximadamente 30 metros!!! (ou seja o correspondente a um prédio de 10 andares). Mas que tem a possibilidade de ser recoberto com uma tela plástica do género daqueles reclames nas empenas dos edifícios em Lisboa. Penso que é esta a ideia, ou seja um MEGA placard de cultura publicitária e efémera … Enfim, é uma ideia muito FASHION aqui “prós pacóvios” abrantinos!!! Que não percebem nada daquilo que é estar na crista da onda cultural…
 
Perguntavam-me no outro dia por que é que eu não estou de acordo com esta proposta. Devo dizer que tenho muitas razões para discordar da ideia subjacente a este projecto, mas hoje vou só falar de informação, vou falar de democracia participativa e de participação cívica, aquilo a que se chama de cidadania! E por isso pergunto-me: será que os abrantinos estão informados do que se prepara para ser construído no centro histórico da nossa cidade? E, se estão, será que é esta a solução que querem? Em todo o caso, ao que parece, o projecto já foi aprovado pelo IGESPAR (antigo IPPAR)
 
 Apesar disto, houve uma sessão de esclarecimento na Igreja do Castelo, no dia 25 de Junho, que parece um tanto fora de tempo, uma vez que o projecto já foi aprovado. Faz lembrar aquelas situações em que primeiro se dá o tiro e depois pergunta-se ao morto se ele era culpado. Todavia, penso que ainda é altura de incentivar uma discussão pública e verdadeira, e o debate, mostrando ao país que Abrantes não prescinde de tomar uma atitude informada e de cidadania!
 
Em todo o caso, aproveito ainda para vos apresentar uma opinião de um amigo que me mandou no mês passado. É uma opinião que, por ser eloquente, quero partilhar convosco (Carlos Fernandes é meu colega e está ligado às questões do património e da Cidade).
 
 «Olá, António,
 A expressão arquitectónica (Museu Ibérico de Arte e Arqueologia) sugerida pelas fotografia confirmam a neurose obsessiva pela afirmação de autoria sem consideração pela maior das virtudes associadas ao génio da séria e intemporal autoria, a saber, a humildade.
 Abrantes, se optar pela distracção ou se se deixar iludir pela efemeridade das paixões, pode estar a adquirir um produto que não resistirá à falência de autorias apressadas.
Um abraço, Carlos Fernandes»
 
Espero que com estas opiniões tenha contribuído para incentivar o diálogo e a melhorar a nossa cidade!

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

De Jaime Rebotim a 15.07.2009 às 13:17

Sobre este museu e as suas colecções, por enquanto tema inesgotável, aqui vos deixo alguns documentos introdutórios divulgados pela Câmara Municipal de Abrantes, sobre a proposta museológica, e o exame preliminar das colecções, elaborados por duas conceituadas personalidades do meio.

A começar pela proposta programática preliminar do professor António Baptista Pereira.

http://www.cm-abrantes.pt/NR/rdonlyres/00011314/cvetsufhcvevrpekmuoxvxyzebduhbnj/MUSEUIBÈRICODOCUMENTOPROGRAMÁTICOPRELIMINAR.pdf

Seguida do relatório preliminar dos principais núcleos expositivos dos arqueólogos Luiz Oosterbeek (coordenador), e Davide Delfino e Gustavo Porto Carrero.

http://www.cm-abrantes.pt/NR/rdonlyres/00011312/rlxczbkfcvclkbqrkavqqyvlzzatkqli/PrimeiroRelatorioDeembro2007.pdf

Culminando na proposta final.

http://www.cm-abrantes.pt/NR/rdonlyres/0001131f/sgxvgqwteddilzccemviypyenkoyzpsb/dossier_b.pdf

No entanto não entendo como é que três reputados e experientes arqueólogos ao examinarem as peças ditas arqueológicas reunidas pelo fundador das colecções a expor, não conseguiram perceber que grande parte dos artefactos são alegadamente falsos, designadamente aqueles em ouro e bronze, tendo sido adquiridos a elementos de uma organização internacional de traficantes de obras de arte, que as forjam e contrabandeiam há mais de uma década para Portugal. E que várias imagens de santos da colecção de arte sacra, á semelhança de outras já apreendidas em inspecções da Polícia Judiciária, foram roubadas nomeadamente de igrejas do Baixo Alentejo por membros de uma rede de gatunos de antiguidades !?

Sobre assuntos relacionados com este escândalo cultural recomenda-se a sua consulta nos tópicos de vários outros sites e foruns:

[url]http://artederoubar.blogspot.com/2008/10/portugal-saque.html[/url]

[url]http://www.prorestauro.com/phpBB3/viewtopic.php?f=9&t=4609[/url]

[url]http://arqueologia.informe.com/policia-espanhola-dt355.html[/url]

[url]http://arqueologia.informe.com/antiguidades-trnofico-lucrativo-dt1013.html[/url]

[url]http://arqueologia.informe.com/legalidade-do-comnurcio-de-materiais-arqueolnegicos-dt1546.html[/url]

[url]http://arqueologia.informe.com/bpn-colecn-noo-egn-pcia-dt1552.html[/url]

Com consideração.

De Jaime Rebotim a 10.08.2009 às 23:36

Como podem confirmar os custos desta exposição de antevisão das colecções do futuro museu têm sido realizadas por ajuste directo.

Com o catálogo gastaram 7.000 contos !

http://www.base.gov.pt/_layouts/ccp/AjusteDirecto/Detail.aspx?idAjusteDirecto=69149

Com a vigilância em vídeo e alarme para 125 dias, gastaram mais de 4.500 contos !

http://www.base.gov.pt/_layouts/ccp/AjusteDirecto/Detail.aspx?idAjusteDirecto=63649

E quanto gastaram com as montras; publicidade; contratados; festa de inauguração; custos de manutenção; e com os sucessivos convites a inúmeras entidades e individualidades que assistem a vários eventos de promoção ao futuro museu ?

Para uma câmara que parece que não tem dinheiro, por exemplo, para reparar o mercado municipal, e cuidar da saúde publica posta em risco com as suas precárias e antiquadas condições de salubridade, é mais do que estranho !

O que estará por trás desta azáfama ?

Comentar post



Perfil

3.jpg



Visitantes


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Quimeras


Alma, Eléctrico!


Livros

Capa - 3ª Edição.jpg

Capa - Frente.jpg

Capa Bocage.jpg 

Capa.jpg 

Eléctrico - Um Clube com Alma.jpg

Mistério Sant Quat (I).jpg


Livros-vídeo


eBooks




calendário

Junho 2009

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D