Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

COLUNA VERTICAL



Domingo, 26.07.09

A ESQUERDA DOS INTERESSES

Santana Maia - in Nova Aliança

 

É chegada a altura de enaltecer a extraordinária capacidade de previsão de José Miguel Júdice, o novo ideólogo de esquerda pós-socialista, que, há cerca de um ano, garantia, no Público, que a esquerda europeia iria governar por muitos e bons anos, uma vez que se tornara no partido natural de Governo. E por que razão isso sucedia? (Não sucedia, obviamente. Basta ter em conta que o Parlamento Europeu era dominado, na altura, pelo PPE e que os dois países líderes da Europa, Alemanha e França, eram governados pela direita. Mas faça-se de conta que sucedia.) Porque os homens de esquerda «já não se consideram socialistas, acreditam na economia de mercado, são conservadores em matéria de costumes, abominam as nacionalizações e não prometem no futuro a sociedade sem classes, cultivam os ricos, apoiam o investimento dos grupos económicos, defendem valores patrióticos, são duros em matéria de segurança, investem nas forças armadas». Resumindo: a esquerda europeia está a tornar-se o partido natural de Governo porque se apropriou do programa da direita e se desfez do seu programa socialista do qual só aproveitou a atraente capa de esquerda.
 
Em face desta apropriação (ou expropriação?) socialista, o que restava à direita? Provavelmente, fazer como José Júdice que, em 1972, como ele próprio confessava no seu artigo, defendeu «em público, à direita, a nacionalização da banca e dos seguros e a reforma agrária sem indemnizações».
 
Só que as coisas, felizmente, não são, nem eram, nem vieram a ser, como José Júdice gostaria que fossem. Mas eu compreendo muito bem a sua argumentação e o motivo por que os grandes grupos económicos e os grandes interesses financeiros estavam tão encantados com esta súbita conversão da esquerda ao capitalismo (selvagem).
 
Na direita, até à queda do muro de Berlim, coexistiram dois grandes grupos, ambos defensores da economia de mercado e unidos, estrategicamente, na luta contra a esquerda: a chamada “direita dos valores” e a “direita dos interesses”. A “direita dos valores” é constituída por todos aqueles (conservadores e liberais) que acreditam que o capitalismo é, com todas as suas imperfeições, o sistema económico e político que garante uma sociedade mais livre, mais justa e mais humana; a “direita dos interesses”, por outro lado, é constituída pelos grandes grupos económicos e financeiros, para quem os melhores sistemas económicos e políticos são, obviamente, aqueles que lhes proporcionem maiores lucros.
 
Ora, foi precisamente a “direita dos interesses” que acolheu de braços abertos a esquerda desiludida com o socialismo, porque tinha a perfeita consciência de que a melhor forma de fazer passar as medidas que defendem os seus interesses é embrulhá-las numa capa de esquerda. E se não há maior devasso do que um ex-moralista, também não há ninguém que defenda melhor os grandes grupos económicos e os grandes interesses financeiros do que um ex-socialista.
 
Morto o socialismo, foi um ar enquanto a “direita dos interesses” passou a vestir roupas da esquerda. E é, precisamente, esta “direita dos interesses” que é hoje a tal esquerda moderna de que falam José Sócrates e José Miguel Júdice, que já não é socialista, cultiva os ricos e apoia o investimento dos grupos económicos.
 
E é precisamente desta “direita dos interesses” que José Sócrates e o PS estão, hoje, reféns. Só que engana-se quem pensa que “a direita dos interesses” vai para o fundo com Sócrates. Ao contrário de Sócrates, “a direita dos interesses” sabe nadar.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Perfil

3.jpg



Visitantes


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Quimeras


Alma, Eléctrico!


Livros

Capa - 3ª Edição.jpg

Capa - Frente.jpg

Capa Bocage.jpg 

Capa.jpg 

Eléctrico - Um Clube com Alma.jpg

Mistério Sant Quat (I).jpg


Livros-vídeo


eBooks




calendário

Julho 2009

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D