Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

COLUNA VERTICAL



Quinta-feira, 04.12.08

OS APOIOS

por António Belém Coelho

 
O Senhor F. é empresário em nome individual. Toda a sua vida, desde que abandonou a Escola e se viu obrigado a trabalhar para ganhar o seu sustento, lá fez das tripas coração para levar o seu negócio a bom porto.
 
A coisa não tem corrido mal de todo e até há pouco tempo, já tinha a trabalhar para si três empregados.
 
Entretanto chega a crise, que é para todos, mas não igual para todos, sublinhe-se, e os negócios começam a ir de mal a pior.
 
Depois de tudo o que tem visto nas TVs e noutros órgãos de informação, o Sr. F. achou-se no dever e no direito de solicitar um qualquer apoio que lhe permitisse prosseguir com o negócio e sobretudo salvaguardar os três postos de trabalho que considerava sua responsabilidade e que sustentavam outros tantos agregados familiares.
 
Depois de muitas e inúmeras deslocações, tempo de espera, e-mails, consultas, e outras ocupações de tempo, foi informado de que para o seu caso não existia qualquer mecanismo de apoio face a esta situação.
 
Acontece que o Sr. F., mesmo sustentando o seu e mais três agregados familiares não insere a sua actividade no sector bancário; e falamos daquele mais tradicional, que acolhe os depósitos dos cidadãos e depois os procura rentabilizar, mediante aplicações disponíveis no mercado global.
 
E quanto a estes, tudo bem; estamos perfeitamente de acordo que o Governo assegure por cidadão, um mínimo de garantia de € 100 000,00; até iríamos mais longe, estabelecendo um limite maior, de € 150 000,00 ou mesmo € 200 000,00.
 
Mas isso são questões meramente aritméticas e políticas.
 
Entretanto o Sr. F. contrapôs a quem teve a paciência de o ouvir, que outras instituições bancárias, que pouco ou nada têm a ver com as poupanças do cidadão, mas que estão dirigidas à gestão das grandes fortunas e aos investimentos de alto risco, comprometeram, com o aval do Estado, milhares de milhões para salvaguardar tais situações.
 
Conversa em saco roto; tivesse o Sr. F. investido em operações de alto risco, de preferência com dinheiro que não fosse seu e talvez agora fosse contemplado com esta tábua de salvação!
 
Mas o Sr. F. ainda teimou para grande espanto e contrariedade de quem fez o favor de o atender! É que estava no negócio dos carrinhos de linhas, tão e cada vez mais necessários a uma elevada percentagem de população que não tem dinheiro para novas roupas e que tem de adaptar as antigas!
 
Tempo perdido! O zeloso funcionário informou-o de que se fosse industrial dos carrinhos a sério, então teria direito a todos os apoios e mais alguns, até a crise passar; desde apoios para manter toda a sua força de trabalho, a incentivos fiscais aos investimentos e mesmo a venda de terrenos a preços simbólicos, para sabe-se lá quando, puder haver investimento.
 
Aqui, o Sr. F. perdeu as estribeiras e questionou: «Então, o mesmo Estado que afunda o sector automóvel, impondo impostos elevadíssimos e mesmo impostos sobre impostos, para não falar do novo imposto de circulação e do elevado preço dos combustíveis, que obrigam os Portugueses a ter um parque automóvel de pequena cilindrada quando comparado com os seus congéneres Europeus, vem agora gastar milhões e milhões dos nossos impostos para os salvaguardar?»
 
Bom, aqui o nosso Sr. F. começou a perceber a diferença entre filhos e enteados; mas não conseguiu perceber a diferença entre um qualquer Governo de maioria de direita radical e um Governo que se diga e socialista e actue enquanto tal. Nem nós!
 
Moral da história: ou és banqueiro ou estás no ramo do sector automóvel; caso contrário, será difícil teres apoios para a crise.
 
Mas todos a sentem! Uns mais que outros! Lá dizia Orwell!

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Perfil

SML 1b.jpg



Visitantes


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Quimeras


Alma, Eléctrico!


Livros

Capa - 3ª Edição.jpg

Capa - Frente.jpg

Capa Bocage.jpg 

Capa.jpg 

Eléctrico - Um Clube com Alma.jpg

Mistério Sant Quat (I).jpg


Livros-vídeo


eBooks




calendário

Dezembro 2008

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D