Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

COLUNA VERTICAL



Domingo, 24.07.11

A REFORMA (DO) VITAL

Santana-Maia Leonardo - in Nova Aliança

.

O recente artigo de Vital Moreira "atribulações do governo municipal", no jornal Público, sobre a reforma da lei autárquica revela, em toda a sua pujança, as razões dos sucessivos falhanços de todas as reformas levadas a cabo em Portugal. Quem ler o artigo não pode deixar de concordar com o diagnóstico e com a solução.

.

Com efeito, é um facto notório que, «apesar da eleição conjunta da câmara municipal e do seu presidente e apesar da "promiscuidade" política do governo e da oposição na câmara municipal, criou-se um presidencialismo municipal apócrifo, à revelia das Constituição e sem a genuína separação de poderes que só a eleição separada assegura.» E a solução também parece óbvia: «a adopção de um sistema de tipo parlamentar, em que o governo municipal seria constituído com base nas eleições para o parlamento municipal e na sua composição, cabendo ao cabeça da lista mais votada o direito de submeter à assembleia a constituição do executivo.»

.

Acontece que, se se implementar esta reforma, o resultado final vai ser precisamente o contrário do pretendido, como, de resto, sempre tem sucedido com todas as reformas que os nossos políticos têm levado a cabo. Na procura da melhor solução, os nossos reformadores esquecem-se de que uma coisa essencial: a solução ideal exige pessoas ideais. Ora, pessoas ideais é precisamente o que por aqui não abunda.

.

Ao contrário do que pensa Vital Moreia, o "presidencialismo municipal apócrifo" impôs-se pela inata subserviência da maioria dos portugueses em relação ao poder e não por culpa do sistema autárquico implantado que visa precisamente combatê-lo. As reuniões de executivo camarário, em que os vereadores da oposição têm assento mas, em regra, não têm pelouro, são a verdadeira e genuína Assembleia, onde os assuntos são (ou podem ser) discutidos e escrutinados até porque é o órgão que reúne as pessoas melhor preparadas para o efeito: os candidatos a presidente e a vereadores da câmara.

.

Por sua vez, as Assembleia Municipais, à excepção de uma ou outra das grandes cidades, são órgãos absolutamente secundários e inúteis, limitando-se os deputados fiéis ao presidente da câmara a assinar de cruz e os da oposição a revelarem a mais das vezes a sua falta de preparação e ignorância sobre os assuntos e sobre a sua função.

.

Resumindo: até por razões logísticas e económicas, as assembleias municipais deviam deixar de existir, transferindo-se todas as competências deste órgão para a câmara municipal que, com as devidas adaptações, passaria a ter o executivo formado pelos vereadores com pelouro e a assembleia constituída por todos os vereadores, sendo as reuniões públicas e com periodicidade quinzenal ou mensal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Domingo, 24.07.11

UM NOVO CICLO

 

Podr-se-á dizer que estamos perante uma convergência com as democracias mais consolidadas, onde os dirigentes partidários são políticos profissionais, com carreiras nos aparelhos. É de facto assim. Só que os partidos portugueses não têm nem o enraizamento social, nem o pluralismo interno que tornam sustentável o afunilamento das condições de recrutamento dos seus dirigentes.

.

Termos na liderança dos dois maiores partidos ex-líderes de juventudes partidárias é um factor de empobrecimento que acentuará o afastamento entre eleitores e partidos. A afinidade nas trajectórias dos líderes do PS e do PSD não é uma questão que possa ser desvalorizada. (...)

.

Quer no PS, quer no PSD, as novas lideranças assentam em mecanismos de poder interno relativamente fechados. Por isso mesmo, terão todas as condições para se perpetuarem no poder e estamos em face de um ciclo relativamente longo - com estabilidade directiva também na oposição.

.

Mas se podemos esperar alguma previsibilidade, devemos também assistir a uma crescente degradação na imagem dos partidos na sociedade. É verdade que estamos perante uma tendência europeia de deterioração da política. Só que em Portugal tenderá a ser mais intensa.

.

Pedro Adão e Silva - in Expresso de 23/7/11

Autoria e outros dados (tags, etc)


Perfil

SML 1b.jpg



Visitantes


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Quimeras


Alma, Eléctrico!


Livros

Capa - 3ª Edição.jpg

Capa - Frente.jpg

Capa Bocage.jpg 

Capa.jpg 

Eléctrico - Um Clube com Alma.jpg

Mistério Sant Quat (I).jpg


Livros-vídeo


eBooks




calendário

Julho 2011

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D