Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

COLUNA VERTICAL



Quinta-feira, 01.01.15

RIbanho - Luís Afonso (texto) e Carlos Rico (desenho)

Tira 105 18-02-05.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quinta-feira, 01.01.15

Como escapar às dentadas de Cronos

Marta Pinto - Público de 27-12-2014

(...) Na cultura ocidental lidamos com o tempo de uma forma quase obsessiva. Vivemos simultaneamente em dois extremos: não temos tempo e queremos fazer tudo ao mesmo tempo.

Por um lado, corremos diariamente para conciliar os nossos afazeres, o trabalho, a família e muitas coisas acabam por não ter cabimento nas horas que compõem um dia: simplesmente não temos tempo. É a chamada “pobreza de tempo”. A pobreza de tempo reflete-se numa perda de bem-estar individual e pode ter consequências mais amplas na sociedade, como demonstram os resultados de um estudo realizado pela Universidade de Princeton em 1973, que apontou que o principal fator que determina a nossa disposição para ajudar alguém necessitado é a perceção de termos ou não tempo para o fazer.

Por outro lado, quando dedicamos tempo a uma qualquer atividade, é frequente não desfrutarmos dela, ou porque queremos fazer várias em simultâneo, ou porque já estamos antecipadamente a cogitar sobre a seguinte. Experimenta-se esta ansiedade ao correr entre pontos de interesse numa curta viagem turística a uma qualquer cidade, com o dedo pronto para disparar a máquina fotográfica e não parando para observar a vida quotidiana, sentir os espaços, notar os detalhes. Experimenta-se ainda quando durante um jantar com amigos estamos a trocar mensagens com outros, para dar alguns exemplos não hipotéticos. A isto chamo “tempo pobre”. Enriquecer o tempo significa usá-lo com consciência para estabelecer uma verdadeira ligação com as pessoas, com os lugares, com os ciclos da natureza e com a vida.

Como contraponto à vida acelerada surgiu há uns anos um movimento que promove as virtudes de um estilo de vida no qual algumas coisas devem tomar o seu tempo e não ser apressadas (slow movement). (...)

Na mitologia grega, Cronos era considerado o criador do tempo. Uma das representações mais famosas de Cronos é a de um deus que devora os seus filhos. Também nós seremos em algum momento tragados pelo tempo, mas até lá podemos evitar as dentadas de Cronos assumindo autêntica posse do nosso tempo. 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Perfil

SML 1b.jpg



Visitantes


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Quimeras


Alma, Eléctrico!


Livros

Capa - 3ª Edição.jpg

Capa - Frente.jpg

Capa Bocage.jpg 

Capa.jpg 

Eléctrico - Um Clube com Alma.jpg

Mistério Sant Quat (I).jpg


Livros-vídeo


eBooks




calendário

Janeiro 2015

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D