Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

COLUNA VERTICAL



Quarta-feira, 11.02.15

O Euro, a Grécia, as dúvidas de Vítor Bento e as minhas

Rui Ramos - Observador de 11-2-2015

(...) As dificuldades da Grécia, como de outros países sob assistência, não derivam apenas de um mau desenho do programa de ajustamento. Talvez o programa pudesse ter sido melhor, mas a falta de competitividade da economia grega e sobretudo a sua recusa de melhorar essa competitividade são talvez candidatos mais forte para causas da estagnação. O que define o Syriza e os seus aliados de extrema-direita racista não é o repúdio da dívida, que até já querem pagar. Aquilo em que verdadeiramente consiste o seu projecto é na recusa da abertura e da flexibilização da economia.

Esta resistência à mudança permite antecipar que, mesmo que os eleitorados dos países excedentários do norte pudessem ser persuadidos a ser ainda mais generosos, a nova liberalidade seria mal aproveitada pelos países deficitários do sul. Não se trata de um raciocínio moral. Se o dinheiro barato ou o subsídio fossem a solução, a Grécia nunca deveria ter tido problemas, porque há trinta anos que recebe fundos do norte da Europa para se desenvolver e escapar a bancarrotas (só desde 2010, embolsou 240 mil milhões de euros a juros baixos e com maturidades longas, e teve uma grande parte da dívida perdoada). Sem as chamadas “reformas”, o dinheiro, só por si, nunca será mais do que um paliativo temporário, tal como os perdões de dívida, porque a economia da Grécia não é capaz de usar os recursos de outra maneira. Muito provavelmente, serviria apenas para aumentar as importações com origem na Alemanha, como já está a acontecer em Portugal. Ora, ao eleger o governo do Syriza e da extrema-direita, o eleitorado grego sinalizou que não quer adaptar a sua economia para funcionar dentro da zona Euro. (...)

Neste ponto, chegámos ao maior erro da zona Euro, e que, esse sim, é o erro fatal: a ideia de que o enquadramento e a pressão externa bastariam para provocar mudanças na Grécia e em outros países, independentemente das configurações de forças políticas internas. Bem apertados, os gregos arranjar-se-iam para resolver o problema. Não se arranjaram. Pelo contrário: a pressão externa serviu apenas para fazer os partidos europeístas parecerem agentes de um castigo estrangeiro, e deu a bandeira da soberania aos populismos da extrema-esquerda e da extrema-direita. Mais: o enquadramento do Euro criou a expectativa de que, para preservar a união monetária, toda a UE acabaria por submeter-se ao Syriza, cujo despesismo pareceu assim credível aos eleitores gregos. Ironia da história: o Euro, que se julgava fosse o instrumento de transformação do sul, funciona agora como a primeira barricada do imobilismo.

Em suma, o “erro” não está apenas na relutância da Europa do norte em partilhar os seus excedentes. A questão é política e não simplesmente monetária, e como tal não pode ser resolvida pelo expediente das transferências ou por outro qualquer novo malabarismo financeiro. Alan Greenspan pode ter razão desta vez: é preciso criar condições para que a Grécia dirigida pelo Syriza e pela extrema-direita possa seguir o seu caminho alternativo fora da zona Euro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quarta-feira, 11.02.15

Cemitério modelo de Abrantes está a revelar-se um fiasco

Mirante on-line de 6-2-2015

Cemitério.JPG

O cemitério de Santa Catarina, em Abrantes, apresentado como inovador com toda a pompa e circunstância, está a revelar-se um fiasco.

Construído em 2005 num processo que até causou alguma polémica entre a população, por ser ao estilo americano, o cemitério, um projecto idealizado pelo ex-presidente da câmara Nelson Carvalho, já devia ter covais livres para novas sepulturas mas encontra-se em ruptura por falta de espaço.

Tudo porque falhou o tempo previsto para a decomposição dos corpos e agora a Câmara de Abrantes não pode fazer exumações e vê-se obrigada a construir mais covais.

Situação caricata é que a câmara notificou familiares de defuntos para levantarem as ossadas dos seus entes queridos e só depois, quando abriram o primeiro coval, é que se verificou que os corpos não podiam ser levantados por não estarem devidamente decompostos.

Ao todo a autarquia queria exumar 159 cadáveres e os familiares tiveram de ir aos serviços da autarquia para indicar o destino que queriam dar às ossadas: colocá-las em ossários, transferi-las para outro cemitério ou serem incineradas.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Perfil

SML 1b.jpg



Visitantes


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Quimeras


Alma, Eléctrico!


Livros

Capa - 3ª Edição.jpg

Capa - Frente.jpg

Capa Bocage.jpg 

Capa.jpg 

Eléctrico - Um Clube com Alma.jpg

Mistério Sant Quat (I).jpg


Livros-vídeo


eBooks




calendário

Fevereiro 2015

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D