Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

COLUNA VERTICAL

"Barcelona respira liberdade e harmonia por todos os poros."

COLUNA VERTICAL

"Barcelona respira liberdade e harmonia por todos os poros."

TERRA-DE-NINGUEM_-_Capa_large.jpg

A localização de Abrantes no centro de Portugal, a meio caminho entre Lisboa e Espanha e entre o Algarve e a Galiza, deveria torná-la só por si numa das cidades mais importantes do nosso país. Não é, por acaso, que reza o ditado que é “no meio que está a virtude”. E num país tão pequeno como o nosso, Abrantes, pela sua localização geográfica, deveria aspirar a ser, pelo menos, a capital da Região Centro.

Infelizmente, Abrantes não só não tem sabido tirar partido da sua localização estratégica como está a perder importância regional de forma acelerada.

Se olharmos desapaixonadamente para o mapa de Portugal, não podemos deixar de concluir que não faz qualquer sentido autonomizar um distrito extremamente pobre, desertificado e pequeno, como é o caso do distrito de Portalegre, ainda por cima encravado junto à fronteira espanhola. Os distritos de Portalegre e Santarém deveriam ser obviamente um único distrito, até porque não têm dimensão, nem população para mais. E Abrantes deveria ter capacidade e energia para unir e fortalecer os laços entre ambos, puxando Santarém para Espanha e Portalegre para Lisboa, dando coesão ao novo distrito, em benefício de todos.

Mantendo-se os dois distritos separados, Abrantes tinha tudo a ganhar em pertencer ao distrito de Portalegre e tudo a perder em ficar no distrito de Santarém. Não é necessário ser muito inteligente para chegar a esta conclusão óbvia. Com efeito, se Abrantes pertencesse ao distrito de Portalegre, seria a cidade mais importante deste distrito, não só por ser a mais populosa mas sobretudo por se localizar do lado ocidental do distrito, ou seja, do lado certo. O Hospital e o Tribunal de Abrantes ganhariam uma relevância natural, no contexto distrital. Quando se está doente, por exemplo, toda a gente quer aproximar-se de Lisboa.

Pelo contrário, no distrito de Santarém, Abrantes fica na ponta esquecida. A não ser as pessoas de Abrantes, quem é que, no distrito de Santarém, troca o Hospital de Santarém, Torres Novas ou Tomar pelo de Abrantes? Quem é que quer andar para trás? E quem diz o Hospital diz o resto. Veja-se o que sucedeu ao tribunal de Círculo de Abrantes. Desapareceu do mapa, sendo hoje Abrantes uma cidade mais irrelevante do que Ponte de Sor, na nova organização judiciária. E quantas pessoas de Torres Novas, Tomar ou Santarém vêm fazer compras a Abrantes? É mais fácil ver pessoas de Abrantes em Santarém, Tomar, Torres Novas ou Leiria do que o contrário. Quem faz e sempre fez vida com Abrantes são as localidades da outra margem do Tejo: Gavião, Ponte de Sor e Bemposta.

Abrantes, se pertencesse ao distrito de Portalegre, tinha não só todas as condições para crescer e transformar-se na cidade mais importante do distrito como daria sustentabilidade e viabilidade a um distrito que, neste momento, é já uma pura ficção. Além disso, Abrantes é uma cidade tipicamente do Alto Alentejo, ou seja, uma zona de transição entre o Alentejo (a sul), as Beiras (a norte) e o Ribatejo (a oeste). Aliás, Abrantes reúne estas três características: Bemposta (Alentejo), Tramagal (Ribatejo) e Mouriscas (Beiras).  

Por que razão, então, o poder político abrantino não se bate para que Abrantes passe a pertencer ao distrito de Portalegre e à sub-região do Alto Alentejo? A resposta parece-me tão óbvia que nem necessitaria de ser respondida. Por que será, estimado leitor? Porque, para os políticos de Abrantes, o caminho mais perto para chegar à capital é Tomar, Santarém e Lisboa. Ou seja, os interesses do município de Abrantes são, neste caso, conflituantes com a carreira dos políticos locais. Sem esquecer que Abrantes é uma excelente cidade para os políticos abrantinos convertidos a Lisboa: não custa nada dar aqui um saltinho para vir fazer campanha eleitoral, dar uma palestra ou jantar com militantes e simpatizantes. Fica apenas a uma hora de caminho e até dá para ir e vir no mesmo dia.

Dezembro de 2014