Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

COLUNA VERTICAL



Quinta-feira, 30.11.17

Conversas de intelectuais da bola

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quarta-feira, 29.11.17

Pensamento(s) de Antero de Quental

Antero de Quental.jpg

 

«Nunca povo algum absorveu tantos tesouros, ficando ao mesmo tempo tão pobre.»

«Nada espero dessa mágicas mudanças do cenário político chamadas revoluções, feitas por muita cobiça em nome de muita ilusão.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Terça-feira, 28.11.17

Lisboa, Porto e as suas invejas

Eça de Queirós 

Eça de Queirós.jpg

Lisboa inveja ao Porto a sua riqueza, o seu comércio, as suas belas ruas novas, o conforto das suas casas, a solidez das suas fortunas, a seriedade do seu bem estar.

O Porto inveja a Lisboa a Corte, o Rei, as Câmaras, S. Carlos e o Martinho.

Detestam-se!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Domingo, 26.11.17

A inveja

Inveja.jpeg

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sexta-feira, 24.11.17

O povo e as ratazanas

Ratazana.jpg

Um povo que é tratado como lixo não só acaba por se acostumar às ratazanas como não consegue viver sem elas.

Este é o grande problema do povo português.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quinta-feira, 23.11.17

O Gaspar e a Kikas

20171018_164731b.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Segunda-feira, 20.11.17

Os forma(ta)dores

Santana-Maia Leonardo - Rede Regional de 16-9-2016

0 SM 1.jpgHá um ditado japonês de que eu gosto muito porque transcreve uma evidência da qual depende o sucesso das nações, sociedades e associações: "Quando duas pessoas pensam da mesma maneira, uma é dispensável."

E o que se constata em Portugal é que, salvo raras excepções, quase toda a gente é dispensável na medida em que a esmagadora maioria pensa como o seu chefe, ou melhor, nem sequer pensa: limita-se a reproduzir, como um papagaio, o que diz o chefe.

E os chefes portugueses, cientes da sua mediocridade e da sua incompetência, odeiam pessoas inteligentes.

É assim nos partidos, nas associações, nas repatições, nas escolas, nas famílias...

Desde o berço, há todo um esforço da sociedade portuguesa na formatação do pensamento único, para que ninguém ouse dizer, em voz alta, aquilo que todos vêem: o Rei vai nu.

Como dizia Bertrand Russell, "o problema do mundo de hoje é que as pessoas inteligentes estão cheias de dúvidas, e as pessoas idiotas estão cheias de certezas."

É, por isso, absolutamente natural que os nossos chefes, cheios de certezas, tenham horror às pessoas inteligentes.

Formatadora.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

Domingo, 19.11.17

A Organização Mundial de Saúde na aldeia de Astérix

OMS.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sexta-feira, 17.11.17

O meu (ex) PSD

Em tempo de eleições no PSD, recordo um texto que escrevi no jornal Público em 11-12-2013

------------------------------------------------------------------

Santana-Maia Leonardo - Público de 11-12-2013

0 SM 1.jpg

Costumo definir-me politicamente como conservador, liberal e socialista. Conservador nos valores; liberal na economia; e socialista nas preocupações sociais. E o PSD era um partido que correspondia bem a esta minha definição.

Distinguia-se do PS sobretudo por dois aspectos: o PS era menos liberal na economia do que o PSD e o PSD era menos fracturante nos valores do que o PS. Isso resultava, aliás, da base de apoio dos dois partidos. Enquanto o PSD representava, sobretudo, os pequenos e médios comerciantes, empresários, agricultores e profissionais liberais, o PS tinha as suas raízes no funcionalismo público.

Quanto ao resto, tinham muita coisa em comum, desde logo as mesmas preocupações sociais e a partilha dos mesmos valores democráticos, designadamente dos valores fundadores das democracias liberais: respeito pelas minorias, pelo estado de direito, pela liberdade de expressão e de opinião e pelos direitos da oposição. É esse património que se está a perder no PSD, uma vez que existe cada vez mais gente a fingir que é mas que verdadeiramente já não é.

Como escreveu recentemente Pacheco Pereira, na génese do PSD, “havia um conjunto de pessoas notáveis a nível local, personalidades com influência. Eram médicos, pequenos industriais, comerciantes, empresários, advogados, operários em muitos casos, com influência nas suas freguesias, cuja vida não dependia do seu papel nas estruturas partidárias. (…) Hoje, há estruturas do partido, com pessoas com carreiras dentro do partido, cuja única preocupação é gerir as suas próprias carreiras (…) e, quando o PSD está no poder, comunicam com os lugares de influência nacional, assessores do governo, administrações regionais.” 

Hoje Portugal está literalmente partido ao meio: de um lado, o sector financeiro e as grandes empresas, protegidos pela lei e pelo governo qualquer que ele seja; e do outro, o funcionalismo público e os assalariados, defendidos nas ruas e nas mesas das conversações pelos sindicatos e pela esquerda.

No actual espectro partidário, não existe nenhum partido que defenda e/ou represente os pequenos e médios agricultores, empresários, comerciantes e profissionais liberais, ou seja, aqueles que são responsáveis por 90% dos postos de trabalho, e que foram, em tempos, a base eleitoral e a razão de ser do PSD. E quando o sector mais dinâmico da sociedade não tem ninguém que o represente politicamente, só se se pode esperar o pior.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quarta-feira, 15.11.17

Os 100 anos da Revolução de Outubro (e os 100 milhões de mortos)

Comunismo.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

Terça-feira, 14.11.17

Forte aposta no investimento estrangeiro

Portugal.jpeg

Autoria e outros dados (tags, etc)

Domingo, 12.11.17

O Verão de S. Martinho em Quarteira

Ainda dizem mal do Algarve e da Quarteira.

Sol e um mar calmo.

Uma praia só para mim.

20171111_110233.jpg

Depois de mais um banho de mar, um merecido banho de sol.

20171111_125220.jpg

20171111_125124.jpg

I LOVE THIS GAME!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sábado, 11.11.17

Álvaro, o eterno guarda-redes do meu Eléctrico

Santana-Maia Leonardo

Álvaro Varetas.jpg

Cresci com o Álvaro. Foi um dos meus amigos de escola e daqueles que todos admirávamos porque era o melhor no futebol e em qualquer desporto. E isso era o principal na adolescência. 

Com a ida para a universidade, os nossos caminhos separaram-se. O Álvaro transformou-se num guarda-redes invulgar e numa referência desportiva de Ponte de Sor. 

Com o declínio da sua actividade desportiva, a vida resolveu virar-lhe as costas. De vez em quando, íamos falando... Apesar de termos muitos amigos comuns e vivermos numa aldeia, nunca soube do seu internamento. 

Entretanto fui passar um fim de semana a Manchester. Umas semanas mais tarde estava num velório e vi a mãe do Álvaro e perguntei-lhe pelo filho que já não via há algum tempo. 

A vida tem destas coisas que temos dificudade em compreender. Tantos amigos comuns, uma casa mortuária na vizinhança da minha casa e no meu trajecto diário para o escritório, um terra minúscula onde tudo se sabe, o Facebook onde hoje não há nada que não se divulgue... e o Álvaro deixou de aparecer na minha vida sem que eu me tenha apercebido da sua partida. 

Como dizia Agostinho da Silva, "as pessoas não morrem. Deixam é de aparecer." E este é o caso do Álvaro na minha vida. O Álvaro apenas deixou de aparecer porque vai continuar bem vivo enquanto eu viver. Até um dia...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quinta-feira, 09.11.17

A importância do equilíbrio

Equilíbrio.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quarta-feira, 08.11.17

A Casa do Povo virou A Casa do Polvo

Casa do povo.jpeg

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 1/2



Perfil

4.jpg



Visitantes


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Quimeras


Alma, Eléctrico!


Livros

Capa - 3ª Edição.jpg

Capa - Frente.jpg

Capa Bocage.jpg 

Capa.jpg 

Eléctrico - Um Clube com Alma.jpg

Mistério Sant Quat (I).jpg


Livros-vídeo


eBooks




calendário

Novembro 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D