Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

COLUNA VERTICAL

"A coragem é a primeira das qualidades humanas porque garante todas as outras.." (Aristóteles)

COLUNA VERTICAL

"A coragem é a primeira das qualidades humanas porque garante todas as outras.." (Aristóteles)

21829294_sMtci.jpeg

Bastava uma pessoa não ser estúpida para perceber que tinha de haver um número significativo de clubes, se é que se podem chamar clubes, cujas administrações das SAD comiam noutra manjedoura, para que fosse permitido na liga portuguesa aquilo que é proibido em todas as ligas europeias, designadamente: a negociação dos direitos televisivos pelos próprios clubes; a transmissão, em exclusivo, de jogos em televisões de clubes; e o comentário desportivo de jogos, em canais nacionais, por comentadores-adeptos de apenas de um dos clubes em confronto.

Diz Luís Filipe Vieira, com a sua falta de pudor habitual, que “é tudo legal” nos acordos secretos entre o Benfica e o Aves revelados pelo jornal Público, acrescentando que Porto e o Sporting fazem o mesmo, assim como o Real Madrid e o Barcelona.

Que o Porto e o Sporting façam o mesmo não me admira, caso contrário o silêncio não seria tão ensurdecedor, mas os contratos de cedência do Real Madrid e Barcelona, tal como de grande parte dos clubes europeus e que a Uefa pretende combater e acabar, a partir da próxima época, só na aparência são semelhantes aos contratos secretos entre o Benfica e o Aves revelados pelo Público.

Para as pessoas perceberem a diferença, vou dar um exemplo que toda a gente percebe. É legal faltar ao trabalho com atestado médico? Estou certo que a maioria dos portugueses, porque frequentaram a mesmíssima escola de Filipe Vieira (a escola abrilista do chico-espertismo), responde afirmativamente.

Mas resposta está incorrecta. A resposta correcta é a seguinte: é legal faltar ao trabalho se uma pessoa estiver doente e o atestado médico serve precisamente para atestar esse facto. Agora se uma pessoa não estiver doente, a falta não só não é legal como o atestado médico é um crime. Percebem a diferença? Para perceber, só basta tirar as palas dos olhos…
No caso dos contratos secretos entre Benfica e Aves, a situação é semelhante ao atestado médico fraudulento. Só aparentemente é legal… E porquê? Porque o contrato não é celebrado entre duas entidades autónomas e independentes, nem visa rodar jogadores jovens com o objectivo de desenvolverem e testarem as suas qualidades competitivas. No caso do Aves, como salta à vista desarmada, a administração da SAD, caída do céu, foi lá colocada com o único objectivo de transformar o clube numa barriga de aluguer de um dos outorgantes para que funcionasse como uma plataforma giratória de compra e venda de jogadores.

Segundo Platão, reside precisamente aqui a fronteira entre aquilo que ele considera um povo digno e um povo indigno: “Um povo digno não carece de leis que lhe digam como agir responsavelmente; ao passo que um povo indigno encontrará sempre maneira de contornar as leis.”

É também por esta razão que somos um dos países do mundo com mais leis e, por mais leis que se façam, nunca chegam. Como dizia Tácito, “quanto mais corrupta é a República maior é o número das leis”. Concluindo: o que Portugal precisa não é de leis, nem de novas leis, mas de um povo digno que não permita ser governando, nem dirigido, por gente indigna.

Santana-Maia Leonardo - Diário As Beiras de 18-6-2020

1.jpg

A atribuição da Champions a Lisboa seguiu o mesmo caminho dos fundos de coesão. Lisboa é uma das regiões mais ricas da Europa e Portugal um dos países mais pobres. Lisboa invoca a pobreza de Portugal para receber os fundos de coesão para depois os investir em Lisboa, uma das regiões mais ricas da Europa.

Agora o sistema foi o mesmo. Invoca-se Portugal por ser um país com poucos casos de COVID-19 para depois levar a competição para Lisboa que é uma das regiões com mais casos.

Mas os lacaios de Lisboa, espalhados pelo território nacional, gostam assim, desde que lhes dêem umas migalhas ou, de vez em quando, lhes deixem tirar uma selfie com o senhor Presidente, um ministro ou um secretário de Estado.

Até porque a maioria deles já tem os filhos a trabalhar em Lisboa ou ambiciona vir a ter.

É o chamado orgulho de ser português, à moda de Lisboa!

Santana-Maia Leonardo - Diário As Beiras de 22-6-2020

1.jpg

O pintor da estátua de Padre António Vieira, como se vê pelo uso da máscara (clicar sobre a foto para ler a notícia), é um cidadão exemplar que cumpre religiosamente as medidas sanitárias impostas pelo governo da República de Lisboa.

A máscara, infelizmente, só não protege contra a estupidez, mas, quanto a este vírus, os portugueses também já não precisam de se proteger, porque já conseguiram a imunidade de grupo há vários séculos.

Nota: Agradecia-se que não linchassem o "pintor" da foto, se o encontrarem na rua, porque, na verdade, ele não é o pintor é o limpador.   

Santana-Maia Leonardo

1.jpg

Os bons vi sempre passar
No Mundo graves tormentos;
E pera mais me espantar,
Os maus vi sempre nadar
Em mar de contentamentos.
Cuidando alcançar assim
O bem tão mal ordenado,
Fui mau, mas fui castigado.
Assim que, só pera mim,
Anda o Mundo concertado

Luís de Camões

10 Jun, 2020

Racismo lusitano

FB_IMG_1591803574694.jpg

Portugal tem um problema muito mais grave com o racismo do que os EUA, desde logo porque ele é tão estrutural e está tão interiorizado que nem sequer assumimos que exista.

O mesmo se passa com a corrupção na política nacional, regional e local e a batota na Liga de futebol que estão tão enraizadas que a esmagadora maioria dos portugueses não consegue conceber sequer a política sem corrupção e futebol sem batota.

Portugal é o país do mundo civilizado onde quem nasce pobre, preto ou cigano tem menos hipóteses de ascender à classe dirigente ou às elites.

A escola, que funciona em todos os países como elevador social, em Portugal funciona como demonstra o cartoon.

Santana-Maia Leonardo

1.jpeg

Luís Filipe Vieira assumiu publicamente que é um chico-esperto e um batoteiro (clicar sobre a foto para ler a notícia). Que o Porto e o Sporting façam o mesmo, até acredito que seja verdade, caso contrário não seria possível os clubes portugueses permitirem que a nossa liga seja uma excepção na Europa: a única onde não é proibida a negociação pelos clubes dos direitos televisivos, onde não é proibida a transmissão de jogos, em exclusivo, em canais de clubes e onde não é proibido o comentário de jogos, em canais nacionais, por comentadores-adeptos de apenas de um dos clubes em confronto.

Com efeito, para as administrações das SAD permitirem estas violações grosseiras e repugnantes à integridade da própria competição e que, ainda por cima, colidem escandalosamente com os interesses desportivos e económicos dos seus próprios clubes, só existe uma explicação: o dinheiro chega-lhes por outra via e passa pelos bolsos dos administradores onde fica uma grande parte.

Mas ter o descaramento de dizer que o Real Madrid e o Barcelona fazem o mesmo????!!!... Não, não fazem o mesmo. Filipe Vieira, com esta declaração, demonstra aquilo que é: uma pessoa sem escrúpulos e sem vergonha. Ou seja, um chico-esperto sem a mínima consciência ética ou moral.

Aquilo que Real Madrid e Barcelona fazem, tal como fazem grande parte dos clubes europeus e que a Uefa pretende combater e acabar, a partir da próxima época, só aparentemente é semelhante ao que faz o Benfica com o Aves.

Para as pessoas perceberem a diferença, vou dar um exemplo que toda a gente percebe. É legal faltar ao trabalho com atestado médico? Estou certo que a maioria dos portugueses, porque frequentaram a mesmíssima escola de Filipe Vieira (a escola abrilista do chico-espertismo), responde afirmativamente.

Mas resposta está incorrecta. A resposta correcta é a seguinte: é legal faltar ao trabalho se uma pessoa estiver doente e o atestado médico serve precisamente para atestar esse facto. Agora se uma pessoa não estiver doente, a falta não só não é legal como o atestado médico é um crime. Percebem a diferença? Para perceber, só basta tirar as palas dos olhos...

No caso dos contratos secretos entre Benfica e Aves, a situação é semelhante ao atestado médico fraudulento. Só aparentemente é legal... E porquê? Porque o contrato não é celebrado entre duas entidades autónomas e independentes, nem visa rodar jogadores jovens com o objectivo de desenvolverem e testarem as suas qualidades competitivas. No caso do Aves, como salta à vista desarmada, a administração da SAD, caída do céu, foi lá colocada com o único objectivo de transformar o clube numa barriga de aluguer de um dos outorgantes para que funcionasse como uma plataforma giratória de compra e venda de jogadores.

Segundo Platão, reside precisamente aqui a fronteira entre aquilo que ele considera um povo digno e um povo indigno: "Um povo digno não carece de leis que lhe digam como agir responsavelmente; ao passo que um povo indigno encontrará sempre maneira de contornar as leis."

É também por esta razão que somos um dos países do mundo com mais leis e, por mais leis que se façam, nunca chegam. Como dizia Tácito, "quanto mais corrupta é a República maior é o número das leis."

Concluindo: o que Portugal precisa não é de leis, nem de novas leis, mas de um povo digno que não permita ser governando, nem dirigido, por gente indigna.

Santana-Maia Leonardo

07 Jun, 2020

O jogo da batota

1.jpg

Bastava uma pessoa não ser estúpida para perceber que tinha de haver um número significativo de clubes, se é que se podem chamar clubes, cujas administrações das SAD comiam noutra manjedoura para que fosse permitido em Portugal e na liga portuguesa aquilo que é proibido em todas as ligas europeias, designadamente serem os clubes a negociar os direitos televisivos, os jogos poderem dar em exclusivo em televisões de clubes, os jogos poderem ser comentados por comentadores-adeptos de apenas de um dos clubes, etc etc etc.

E não vale a pena vir atirar areia para os olhos e querer fazer dos outros parvos com o argumento de que nos outros países europeus também há clubes grandes e pequenos, porque a questão não tem a ver nem com a dimensão, nem com o palmarés dos clubes, mas com a independência e a autonomia dos clubes que é precisamente aquilo que define um verdadeiro clube (clicar sobre a foto para ler a notícia no Jornal de Notícias).

Ora, basta saber contar pelos dedos para perceber que 3 votos valem menos do que 15, o que significa que só é possível que sejam aprovados regulamentos que colidam com os interesses da esmagadora maioria dos clubes, se a maioria dos representantes desses putativos clubes votarem contra os interesses dos clubes que representam.

E, para o fazerem, não o fazem obviamente de graça. Se o dinheiro não chega através da redistribuição das receitas proveniente da centralização dos direitos televisivos, que é a principal fonte de receita de todos os clubes europeus, é porque chega por outra via e por baixo da mesa.

Todos os portugueses sabem isto, mesmo quando querem fingir que são tão estúpidos que não sabem somar 2 + 2, tanto assim que, se se apertar um bocadinho com eles, exaltam-se e sacam logo dos argumentos típicos dos batoteiros: "eu quero é que o meu clube ganhe sempre nem que seja com um golo com a mão" (o argumento do batoteiro assumido) ou "os outros fazem o mesmo" (o argumento do batoteiro com um pingo de vergonha).

Santana-Maia Leonardo