Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

COLUNA VERTICAL

"Barcelona respira liberdade e harmonia por todos os poros."

COLUNA VERTICAL

"Barcelona respira liberdade e harmonia por todos os poros."

bes_porto_benfica_sporting.png

Marc Méchen escreveu, no passado dia 24 de Outubro, no jornal catalão Sport, um artigo de opinião sobre o negócio do futebol de que eu destaco a seguinte passagem: “(…) Hoje na Europa só Portugal permite que cada clube venda os seus direitos televisivos como visitado, e isso faz com que o Benfica receba 17 vezes mais do que o último classificado. A magia da liga inglesa, que todo o mundo tem como exemplo, reside nisto: a diferença entre o clube que recebe mais e o clube que recebe menos pelos direitos televisivos é de apenas 1,5. (…) Com este sistema, conseguiram que seis equipas lutem cada ano por todas as competições e é precisamente essa emoção que gera o dinheiro. (...)"

E é precisamente este modelo de sucesso que está a ser seguido em toda a Europa, excepto em Portugal, onde a ganância e a inveja são a imagem de marca do Benfica, Sporting e Porto. Invejam os grandes da Europa, mas, em vez de lhes seguirem o exemplo, criando uma liga capaz de gerar riqueza, optam, na sua ganância cega, por se apropriarem de todos os recursos, reduzindo os outros clubes não só à indigência como à inexistência, uma vez que já nem adeptos têm. Dirigentes, adeptos, treinadores, jogadores, jornalistas e comentadores são todos do Benfica, do Sporting e do Porto.

Infelizmente, este é um problema que não se cinge ao futebol. A ganância e a inveja estão no ADN lusitano e reside precisamente aqui o grande obstáculo ao nosso desenvolvimento e à competitividade das nossas empresas e da nossa economia. A liga portuguesa, à semelhança dos sucessivos governos, prefere manter os privilégios de uma casta, à custa do empobrecimento de todos, do que levar a cabo as reformas estruturais que permitem gerar riqueza em benefício de todos.

Santana-Maia Leonardo - Jornal A Ponte de 22/11/2021 

Screenshot_20211128-084733_Facebook.jpgEsta é a situação perfeita para se distinguir um cínico de um hipócrita.

O cínico justifica a situação desta forma: "o jogo realizou-se por causa do regulamento" (este é o argumento típico dos cínicos: "dura lex sed lex").

Por sua vez, o hipócrita justifica desta forma: se fosse o Benfica que só tivesse 9 jogadores, o jogo realizava-se na mesma" (este é o argumento típico dos hipócritas retirado do Triunfo dos Porcos: em Portugal, todos os clubes são iguais).

1.jpg

Quem vive no interior não deve confundir os alfacinhas com os lisboetas. Alfacinhas são todos aqueles que nasceram em Lisboa; Lisboetas são todos aqueles que foram residir para Lisboa, que apregoam o orgulho nas suas raízes, mas que não só não querem deixar de viver em Lisboa como não querem que nada de lá saia, designadamente, para a sua terrinha que tanto amam (?!...).

Ou seja, os lisboetas são a praga de parasitas que corrói e destrói qualquer iniciativa que vise promover a igualdade real entre os portugueses e o desenvolvimento harmonioso de todo o território nacional.

E não há pior político, jornalista ou comentador para quem vive no resto do país do que um lisboeta. Filhos da p…!

Santana-Maia Leonardo - A Ponte de 22-11-2021

259881209_2074474036036822_7878932775207200058_n.j

As sete classes de espanhóis (onde os portugueses se incluem), segundo o escritor espanhol, de origem basca, Pio Baroja (1872 a 1956) 

La verdad es que en España hay siete clases de españoles… sí, como los siete pecados capitales. A saber:

1) Los que no saben;

2) los que no quieren saber;

3) los que odian el saber;

4) los que sufren por no saber;

5) los que aparentan que saben;

6) los que triunfan sin saber, y

7) los que viven gracias a que los demás no saben.

Estos últimos se llaman a sí mismos “políticos” y a veces hasta “intelectuales”.

24 Nov, 2021

Só Deus...

FB_IMG_1637566878311.jpg

Só Deus nos pacifica e suaviza
os contornos da alma e do olhar,
pois cada um nem vê o chão que pisa,
quanto mais o milagre de aqui estar.

Cada um nem vê como desliza
para a morte, com o tempo, devagar.
quanto mais o que lhe falta e o que precisa,
para enfim se redimir e se salvar...

A cegueira de cada um, é, pois, imensa,
até à final descoberta da Presença,
que lhe é caminho, vida e redenção.

Só com Essa Luz calma e intensa,
cada um descobre enfim qual a diferença,
entre a Luz da Vida e a escuridão!

Raul Cóias Dias

Pág. 1/4