Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

COLUNA VERTICAL

"A coragem é a primeira das qualidades humanas porque garante todas as outras.." (Aristóteles)

COLUNA VERTICAL

"A coragem é a primeira das qualidades humanas porque garante todas as outras.." (Aristóteles)

31 Ago, 2022

Educar é essencial

FB_IMG_1660993526089.jpg

Toda a gente se lamenta hoje da falta de educação das gerações mais novas.

No entanto, o que eu constato é que as gerações mais novas estão a ser vítimas da geração rasca dos seus pais que devia ter a responsabilidade de as educar e as deseduca.

A este propósito cito Luis Enrique, ex-jogador e ex-treinador do Barça e actual seleccionador espanhol:

"Estou cansado de ver crianças a chorar, quando perdem. Há que saber ganhar e saber perder. O adversário também fez coisas muito boas.

Estou cansado de ver crianças a chorar nos torneios infantis, quando perdem. Não sei porque choram.

Há que começar a gerir a derrota, felicitar o adversário e ensinar às crianças pequenas que não se chora: há que levantar e felicitar quem ganhou."

Santana-Maia Leonardo - A Ponte de 29/8/2022

26 Ago, 2022

o Simba

23-1-2000.jpg

O Simba nasceu no dia 12 de Agosto de 1999.

Era um Husky Siberiano branco, com um olho azul e outro castanho, que parecia uma daquelas crianças de cara redonda e bolachuda a que só apetece apertar as bochechas. Era um autêntico peluche e só queria brincadeira. Quando chegávamos, enrolava-se no chão aos nossos pés para lhe fazermos cócegas na barriga e, depois, fazia uma festa.

Chegou a minha casa, a meu pedido, com o objectivo de permitir que eu voltasse a dormir as noites descansadas. E porquê? Porque tinham dado um Husky Siberiano preto à minha filha de prenda de aniversário que era um chato, porque passava a vida a uivar sempre que ficava sozinho. Segundo me explicaram, os Husky Siberianos são cães de matilha que não gostam de estar sozinhos, o que significava que a solução era encomendar outro, que foi precisamente o que eu fiz, depois de ter passado umas noites sem dormir. Mas deu resultado.

O Claine e o Simba cresceram como irmãos, apesar de serem muito diferentes.  O Claine era preto, reservado, de poucas falas e não se dava com qualquer cão. Pelo contrário, o Simba era branco, muito sociável, dava-se com todos os cães e toda a gente gostava dele. Ou seja, o Claine era a minha cara chapada e o Simba era o meu filho em pessoa. Escusado será dizer que o Simba era o cão preferido da minha mulher.

E foi também o meu filho que o baptizou, porque, nisto de escolher os nomes, eu só servia mesmo para pagar o baptizado. E o nome escolhido foi, como não podia deixar de ser, o do Rei Leão, não só por ser um filme que marcou a geração do meu filho, mas por ter herdado do meu avô materno uma costela leonina.

No início do ano de 2012, o Claine, a aproximar-se dos 14 anos e com alguns problemas de saúde e de visão, começava a dar sinais de que a vida lhe começava a pesar. No entanto, o Simba, um ano mais novo e sempre mais vivaço e brincalhão, parecia que tinha saúde para dar e vender. Mas um inchaço nos sacos anais chamou-me a atenção. Levei-o ao veterinário e o diagnóstico foi o pior possível. Tratava-se de um tumor maligno, já num estado adiantado pelo que devia ponderar a hipótese da eutanásia.

Quanto tempo mais poderia viver? Umas semanas, na melhor das hipóteses, mas era necessário limpar-lhe todos os dias os sacos anais e dar-lhe medicamentação duas vezes ao dia, para que pudesse ter alguma qualidade de vida.

Quando temos vinte ou trinta anos, a vida só faz sentido se não virmos o fundo ao tacho. Com efeito, para quem pensa viver até aos 90 anos, algumas semanas de vida não têm significado, nem justificam o sacrifício. Para quê prolongar artificialmente a vida apenas por mais umas semanas? Se fosse por um ano ou dois, ainda vá que não vá... Mas por umas semanas? Que sentido faz?

É óbvio que não faz qualquer sentido, a não ser para quem esteja na mesma situação do Simba que era precisamente o meu caso. Aqui é que a porca torce o rabo… Com efeito, quando, por força da idade ou da doença, começamos a ver a cova, cada dia passa a ser saboreado como se fosse o último cigarro do condenado à morte.

Ora, eu e o Simba, naquele momento, estávamos na mesma onda. Ambos tínhamos aprendido à nossa custa que, na vida, todos os dias fazem sentido, sob pena de a vida não fazer sentido nenhum. E um milhão de anos, na linha do tempo à escala da eternidade, é um minúsculo ponto que ocupa o mesmo espaço de um dia.

Deixemo-nos de fantasias. Todos havemos de morrer e todos seremos esquecidos. Os homens eternos raramente sobrevivem à terceira geração e passados cem mil anos já ninguém vai saber sequer que existiu Portugal, nem portugueses, nem a língua portuguesa, nem Camões, nem Beethoven. E cem mil anos passam num instante. Basta olhar para trás. Se cem mil anos demorassem muito tempo a passar, eu ainda não tinha nascido.

Ora, como ensina o Novo Testamento, deixemo-nos de filosofias baratas e saibamos gozar o dia que passa sem lhe acrescentar outras preocupações. “Basta a cada dia o seu dia.” E algumas semanas de vida, para quem vive na iminência de morrer a qualquer momento, é uma eternidade.

E, a partir daquele momento, passei a tratar o Simba como se o Simba me estivesse a tratar a mim. Todos os dias, o Simba vinha ter comigo, deitava-se para eu lhe limpar os sacos anais e dar-lhe os comprimidos. E os dias foram-se passando e as poucas semanas de vida que lhe tinham sido prognosticadas foram-se estendendo por meses. Janeiro, Fevereiro, Março, Abril, Maio, Junho…

No dia 14 de Julho de 2012, ainda foi comigo ao velório e ao funeral do seu amigo Claine que teve uma daquelas mortes que todos gostaríamos de ter. Na véspera, deitou-se, adormeceu e já não acordou.

Entretanto, Julho chegou ao fim e seguiu-se-lhe Agosto, Setembro, Outubro e Novembro. Onze meses a limpar-lhe todos os dias os sacos anais e a medicá-lo, o que fez com que a nossa relação se fortalecesse muito. Mas no dia 30 de Novembro de 2012, quando fui para lhe fazer o tratamento, o Simba disse-me que tinha chegado a sua hora. “Já não me consigo levantar. Tens de chamar a veterinária”. Liguei à veterinária que não demorou. O Simba, então, deitou-se de lado, agradeceu-me, fechou os olhos e foi ter com o seu amigo Claine que já estava cheio saudades dele.

Santana-Maia Leonardo - O Mirante de 26/8/2022

24 Ago, 2022

Uma casa de putas

o-que-fazer-em-amsterdam-red-light-district-rua.jp

 

A política portuguesa transformou-se numa autêntica casa de putas onde uma mulher séria não deve pôr os pés e por duas razões.

Em primeiro lugar, porque não consegue mudar o destino à casa, até porque a clientela vai lá à procura de putas e não de mulheres sérias.

Em segundo lugar, porque não se livra da má fama.

Eu falo, por experiência própria. Não adiantou nada eu pagar do meu bolso duas campanhas eleitorais e grande parte da terceira para não ficar refém dos financiadores das campanhas. De uma das vezes, houve mesmo um indivíduo que teve o descaramento de ir ao meu escritório oferecer-se para financiar a minha campanha a troco do meu voto num assunto do seu interesse em que o meu voto era decisivo. E ficou extremamente surpreendido com a minha resposta, porque, segundo a sua experiência, o sucesso na vida política dependia precisamente da troca de favores.

Também não adiantou nada ter recusado sempre cargos remunerados. Como não adiantou nada não ter ficado com o dinheiro das senhas de presença que recebi e ter recusado receber ajudas de custo a que tinha direito por lei.

E porquê? Porque, para os portugueses, a política é uma casa de putas, o que significa que qualquer pessoa que lá entre, por muito séria que seja, não se livra da fama.

Santana-Maia Leonardo - A Ponte de 22/8/202

Pág. 1/4