Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

COLUNA VERTICAL

"Barcelona respira liberdade e harmonia por todos os poros."

COLUNA VERTICAL

"Barcelona respira liberdade e harmonia por todos os poros."

12 Dez, 2010

AS PRESIDENCIAIS

António Belém Coelho 

 

As eleições presidenciais que se avizinham, apesar da crise sem precedentes em que vivemos, parece ser daquelas em que a opção será das mais claras e transparentes para a grande maioria da população.

 

Apreciando o leque de candidatos, certamente todos eles com o direito constitucional de se poderem fazer eleger, e sobretudo apreciando as linhas programáticas de actuação que cada um deles tem até agora apresentado ou não, a escolha é única e clara.

 

E se formos mais longe em termos de análise, perscrutando a vida política dos candidatos e os serviços por eles prestados ao País nos cargos até agora desempenhados, mais clara ainda é a escolha.

 

Só o Professor Cavaco Silva consegue reunir um conjunto de atributos que o tornam para muitos Portugueses o homem certo no lugar certo: o conhecimento profundo da situação real do País a diversos níveis, o conhecimento exacto dos momentos e locais correctos onde efectuar a chamada magistratura de influência para obter os resultados necessários, a experiência, contactos e mesmo relações de amizade a nível internacional, uma aura de seriedade e trabalho que hoje em dia se torna cada vez mais difícil de encontrar na classe política.

 

Daí continuar a personalizar e a corporizar um capital ainda maior de esperança junto da maioria dos cidadãos portugueses, no sentido de contribuir para a resolução da situação que vivemos.

 

Todos estes juízos mais se reforçam quando olhamos os enfeudamentos e contradições apresentados por outros candidatos, que os obrigam a dizerem-se num dia para se desdizerem no outro ou então optarem por silêncios ensurdecedores para quem outrora os apoiou.

 

O Professor Cavaco Silva tem sabido respeitar e promover a estabilidade democrática, sem abdicar de intervir, sempre dentro da esfera dos seus poderes, de forma sóbria e discreta, quando entende que está em causa algo que possa contrariar o que pode ser interpretado como as convicções profundas dos Portugueses e o interesse nacional.

 

O facto de periodicamente (e agora certamente com maior intensidade) ser acusado, sempre pelos mesmos sectores e personalidades de ser pouco interventivo e também pelo seu contrário, só demonstra à saciedade o acerto da sua conduta no contexto em que vivemos.

 

E não tenhamos dúvidas que no dia em que seja preciso dar um murro na mesa, seja quem for que protagonize a governação, não por cálculos próprios ou alheios, mas pela constatação de que tal será o melhor para o País, fa-lo-á com toda a legitimidade que o voto popular e o seu percurso lhe outorgam.

 

O Professor Cavaco Silva não é certamente um homem só com qualidades, sem defeitos. É um ser humano como todos nós. Também errou aqui e ali, como todos nós, no seu percurso; mas justamente porque estava lá e tomou decisões.

 

Mas objectivamente as primeiras suplantam amplamente os segundos.

 

Por tudo isso, a minha escolha é clara: apoio e votarei no Professor Cavaco Silva nas eleições presidenciais.