Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

COLUNA VERTICAL

"Barcelona respira liberdade e harmonia por todos os poros."

COLUNA VERTICAL

"Barcelona respira liberdade e harmonia por todos os poros."

    

Nasceu em Lisboa e viveu em Setúbal, mas é alentejano. Não porque tenha vindo viver para casa dos seus avós em Ponte de Sor, nem porque estudou e leccionou na região, e muito menos pelo papel activo que tem desempenhado nas áreas da política e do associativismo. «Não se nasce alentejano, é-se alentejano», como o próprio afirma no texto que dedica ao Alentejo.

Esta dedicação, aliada a um outro dom, o da escrita, levou António Santana-Maia Leonardo a colaborar com vários jornais, a lançar «Mistério da Santaníssima Quaternidade», «Eléctrico – Um Clube com Alma» e «Bocage, Meu Irmão» e, recentemente, “Rexistir”, um «manifesto de quem não subscreve o mundo em que vive e contra a geração que, em Maio de 68, escrevia nas paredes de Paris “a imaginação ao poder» e que hoje, no poder, sem imaginação, vai corroendo e consumindo, um a um, todos os valores que herdámos dos nossos pais e avós, a nossa cultura, a nossa pátria e a nossa alma».

“Rexistir” incluiu ainda dois textos de antologia, duas pérolas que definem sob o olhar do autor o Alentejo e os alentejanos. Talvez não tenha sido por isso de estranhar que o “Café Alentejano”, um dos locais mais carismáticos da cidade de Portalegre, tenha sido o palco do lançamento de mais um trabalho de Santana-Maia.

.A apresentação de “Rexistir” chegou ao “Café Alentejano” às 17 horas de sexta-feira, proporcionando um final de semana agradável a todos os que não resistiram à tentação de entrar nas palavras de Santana-Maia. O nosso jornal não  resistiu, associou-se e promoveu o trabalho de um colaborador que, tal como referiu Manuel Isaac Correia, no início da cerimónia, «revela três qualidades raras: retrata um pensamento estruturado e transmite-o de forma clara e concisa».

.A sessão contou ainda com a presença de Adelaide Teixeira, presidente da Câmara de Portalegre, do Juiz Conselheiro José Mesquita que, para além de alguns poemas do autor de “Rexistir”, brindou os presentes com a “Toada de Portalegre”, e de três personagens indissociáveis da vida de Santana-Maia, António Teixeira, grande amigo do seu pai, Jorge Mangerona, colega e amigo, e o saudoso Raul Cóias, cuja presença se sentiu ao longo de toda a sessão.

.Depois de Manuel Isaac Correia ter apresentado e aplaudido as qualidades do autor, também colaborador do Jornal Alto Alentejo, Adelaide Teixeira não poupou elogios à obra de Santana-Maia, «um livro pequenino, complexo e profundo» que, na sua opinião, «desperta os valores de um Alentejo que nos deve unir».

.Seguiu-se António Teixeira, que partilhou imensas experiências que viveu com José Tomás Mendes Leonardo, pai de Santana Maia. Foram momentos intensos e emotivos, principalmente para o autor, que acabou por receber das mãos de António Teixeira, o último pin do curso que concluiu juntamente com José Tomás Leonardo.

.Jorge Mangerona aplaudiu a escolha do “Café Alentejano” para o lançamento de “Rexistir”, partilhou vários episódios e peripécias vividas com Raul Cóias e Santana-Maia, e aplaudiu os textos do autor que, na sua opinião, «são honestos, sinceros e directos», mostrando que «nem sempre é fácil ser alentejano» mas que «temos mesmo de resistir porque a região vai depender de todos nós».

.Perante o orgulho de sua mãe, a Conselheira Laura Santana-Maia, o autor proferiu um discurso ao seu estilo. Directo, crítico, divertido, Santana-Maia observou que, apesar de muitos lamentarem o facto de o Alentejo ter parado no tempo, «parar no tempo nem sempre é mau», principalmente quando se tem caminhado para um precipício civilizacional…na sua opinião, hoje é importante recuar e recuperar os antigos princípios cristãos. «Estamos a ser governados pela geração do sexo, drogas e rock & roll, uma geração de indivíduos que perseguem a realização pessoal, que pensa só em si, que gastou o seu e o dos outros e agora pede solidariedade», realçou.

     

AGRADECIMENTO

Quero agradecer à Dr.ª Adelaide Teixeira, presidente da câmara de Portalegre, ao Dr. António Teixeira, ao Dr. Jorge Mangerona, ao Dr. José Mesquita, aos donos do Café Alentejano e, de uma forma muito especial, ao director do Jornal do Alto Alentejo, Manuel Isaac Correia, principal responsável pelo sucesso deste evento..

Santana-Maia Leonardo