Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

COLUNA VERTICAL

"Barcelona respira liberdade e harmonia por todos os poros."

COLUNA VERTICAL

"Barcelona respira liberdade e harmonia por todos os poros."

Na impossibilidade de estar presente por motivo de doença, venho, por este meio, agradecer ao PSD ABRANTES o convite que me dirigiu para a Conferência de Imprensa de apresentação da candidatura do meu primo António, à presidência do Município em que nasci.

 

Quando, há dias, o António teve a amabilidade de me comunicar, em primeira mão, ter aceite o convite do PSD para assumir a candidatura, as minhas primeiras palavras foram, depois de agradecer essa distinção, para lhe transmitir a minha satisfação pela sua participação cívica através da disponibilidade para a actividade política autárquica.

 

De facto, é fundamental, nos dias de hoje, para dignificar a política, que pessoas de bem, prestigiadas, com grandes qualidades humanas e altas qualificações profissionais, estejam dispostas a dar à sociedade o seu contributo, contrariando o egoísmo que, infelizmente, caracteriza o actual comportamento de muita gente.

 

Por ser exactamente este o enquadramento em que situo a candidatura do António, felicito-o por tal, felicitando também o PSD por poder contar com a sua inteira disponibilidade para o exercício do cargo a que se propõe.

 

Havendo na nossa Família duas grandes áreas profissionais, a da Medicina e a do Direito, foi esta a escolhida pelo António, na senda do nosso saudoso Tio-Avô, Monsenhor Maia, que, além de ser o Vigário-Geral de Elvas e Capelão Militar, bem como Director e Professor do Colégio Elvense, foi um vulto ímpar do Direito Canónico e um grande advogado, do nosso Primo Maia Gonçalves, Conselheiro jubilado e figura eminente da Magistratura e, mais directamente, do seu falecido Avô e meu Tio, António Santana Maia, distinto Advogado e Notário em Ponte de Sor, do seu Pai, também já falecido, José Leonardo, licenciado em Direito e da sua Mãe, Maria Laura, Conselheira recentemente jubilada, após uma carreira brilhante e que foi, em Portugal, a primeira Juíza a atingir o Supremo Tribunal de Justiça.

 

Mas além do exercício pleno da advocacia, de uma já grande experiência autárquica e de uma importante acção na área do ensino, tem também o António, através de frequentes artigos de imprensa, manifestado as suas opiniões e preocupações sobre vários problemas que a todos afligem, exercendo, assim, uma cidadania activa, com as intervenções a que já nos habituou.

 

Sem ter nada contra os políticos profissionais, acho, contudo, ser preferível não exercer a política em exclusividade e considero mesmo altamente positivo o facto de se conseguir conciliar o desempenho da profissão com a actividade política, por entender ser assim melhor preservada a independência pessoal e conseguido um certo distanciamento da lógica estritamente partidária, que, por vezes, pode conduzir a situações de alguma incomodidade.

 

Foi este o caminho que, pessoalmente, procurei seguir, tendo na minha vida, a par de uma intensa actividade médica e hospitalar, exercido uma actividade política concreta, que, resumidamente, foi a seguinte: 

 

        - Tendo sido eleito para a Assembleia Municipal de Coimbra, pelo Partido Socialista, em 1982, desempenhei, depois de ter sido eleito Deputado em 1983, o cargo de Governador Civil durante o Governo PS/PSD, até 1985, tendo regressado então ao Parlamento, até à sua nova dissolução em 1987.

 

        -  Em 1989 fui eleito para o Executivo da Câmara Municipal de Coimbra, na lista que obteve a primeira maioria absoluta para o Partido Socialista, tendo desempenhado o cargo de vice-presidente da Câmara e de presidente dos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento, que cessei em 2003, por ter sido eleito Bastonário da Ordem dos Médicos.

 

        - Regressei depois à actividade política autárquica, em 1997, como Presidente da Assembleia Municipal de Coimbra, até ao termo do mandato, em 15 de Janeiro de 2002.

 

        - Por ser também membro do Conselho Geral do Centro de Estudos e Formação Autárquica, desde 1985, sendo mesmo o mais antigo, tenho vivido com grande atenção a problemática do poder local, que considero ser uma área não só importante e muito exigente, mas igualmente gratificante para quem a exerce, pela aproximação às pessoas e pela resolução dos problemas concretos das populações.

 

Como militante do Partido Socialista, tenho pena de não poder contar com o António no meu partido, mas aceito perfeitamente a sua opção, aliás igual à de meu Pai, que tem a sua fotografia nessa Sede do PSD ABRANTES, descerrada em cerimónia pública, à qual assisti, por ter tido a honra de para ela ser convidado e que foi presidida pelo então Secretário-Geral do Partido, Dr. António Capucho, na altura meu colega na Assembleia da República, onde era líder parlamentar do PSD.

 

Seria, certamente, uma grande alegria para o meu Pai, assistir ao anúncio desta candidatura, cuja apresentação pelos Senhores Drs. Moita Flores e Eurico Consciência muito valoriza e que, por este meio, saúdo, apresentando os meus agradecimentos pelo convite que me foi dirigido para nela estar presente e que muito me honrou.

 
Com os melhores cumprimentos democráticos,
Carlos Alberto Raposo de Santana Maia
 
(*) Ex-Bastonário da Ordem dos Médicos, ex-Governador Civil de Coimbra, ex-deputado do PS