Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

COLUNA VERTICAL

"Barcelona respira liberdade e harmonia por todos os poros."

COLUNA VERTICAL

"Barcelona respira liberdade e harmonia por todos os poros."

11 Abr, 2011

VELHOS HÁBITOS

Na sexta-feira da semana passada, uma menina de 12 anos regressou a casa para encontrar os cadáveres degolados dos pais e dos três irmãos mais novos, um deles com três meses de vida. A casa situa-se no colonato de Itamar, na Cisjordânia. As vítimas eram colonos judeus. O crime foi obra de psicopatas, embora não do psicopata isolado e tradicional, mas de toda uma cultura devotada ao homicídio.   As Brigadas dos Mártires de Al-Aqsa, cuja designação é esclarecedora, (...)
Bagão Félix - inA Bola de 6/4/11    Perdeu-se apenas um jogo. Mas não se pode perder a honra.   Não sei quem foi responsável pela abominável e rasca atitude de domingo. É imprescindível que, de imediato, os órgãos sociais mandem abrir um inquérito para sancionar o ou os autores da vergonha, sob pena de, por omissão, ser gravemente atingida a imagem do Benfica. (...)   Não é fácil cumprir as regras da elegância, correcção e desportivismo, perante atoardas e (...)
  Um Governo PS-PSD-CDS não é solução para coisa nenhuma, a não ser para o tal Bloco Central de interesses que, nas últimas décadas, muito contribuiu para o resultado a que chegámos. E contra o qual, precisamente, é urgente haver a coragem de avançar, (...)   Portugal não precisa de um "governo de salvação nacional", precisa de um governo com capacidade, competência e coragem para aplicar reformas indispensáveis à salvação nacional.   Que não são compatíveis (...)
Extracto do livro "A LUZ DO MUNDO" entrevista a Bento XVI    Vai-se constituindo uma ditadura do relativismo que nada reconhece como definitivo e que deixa como última medida apenas o próprio eu e as suas vontades. (...)  Está-se a difundir uma nova intolerância, isso é óbvio. Existem regras ensaiadas de pensamento que são impostas a todos e que são depois (...)
28 Mar, 2011

PORTUGAL E O JAPÃO

  Dentro de cinco anos, dez no máximo, o Japão estará reconstruído de toda esta devastação que o destino lhe reservou. Mas nós estaremos na mesma ou pior. Tudo o resto não interessa à História.  Miguel Sousa Tavares - in jornal “Expresso”  de 19/3/2011
  Joaquim Vieira estranhou (...) que "a geração que nos anos 70 defendeu o totalitarismo, o estalinismo, o maoísmo e os khmers vermelhos (e na qual me incluo) critique o inconformismo e a irreverência da geração jovem. (...) A geração instalada devia fazer a sua autocrítica antes de atacar a geração à rasca".   Eu, que faço parte da mesma geração, subscrevo a estranheza (só não estranho, infelizmente, a forma desonesta como alguns comentares televisivos trataram de (...)
Extracto do livro "A LUZ DO MUNDO" entrevista a Bento XVI    Conhecimento é poder. Ou seja, quando eu conheço, também posso dispor. O conhecimento trouxe poder, mas de uma forma que faz com que nós, com o nosso próprio poder, também consigamos destruir precisamente o mundo que julgamos ter compreendido.   Torna-se assim claro que, na combinação habitual do conceito (...)
Para o comum dos portugueses parece bastante doloroso ver ditadorzecos erigidos em salvadores da nossa pátria, por via de nos comprarem uma dívida que de pouco nos serviu contraí-la.   É certo que temos autoestradas e submarinos, mas quantos os trocariam agora por menos desemprego, mais salário e um clima menos depressivo?   Henrique Monteiro - in jornal “Expresso”  de 21/1/2011
«Durante 20 anos fizemos tudo ao contrário na ilusão de que já éramos ricos (fomo-nos sentindo ricos, vivendo sempre acima das nossas posses, todos os anos desde 1994): engordámos a Função Pública (a partir da súbita e extrema generosidade do ano de 1991), tornámo-nos um país de proprietários endividados (aceleradamente, após 1992), fomos criando um sistema de pensões insustentável e particularmente injusto para as gerações mais novas (desde os anos 80 e apesar da (...)
Henrique Neto - extracto da entrevista ao Jornal Económico de 5/12/10 *Militante Socialista, 74 anos, desde o Governo de António Guterres, tem participado nos congressos do PS apresentando moções críticas para as políticas na área económica, por as considerar desajustadas das necessidades do país.    (…) Os sucessivos governos, este em particular, pintam uma (...)