Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

COLUNA VERTICAL

"Barcelona respira liberdade e harmonia por todos os poros."

COLUNA VERTICAL

"Barcelona respira liberdade e harmonia por todos os poros."

Foto.jpg

Durante meses a fio, a comunicação social portuguesa massacrou-nos diariamente com os números de infectados e mortos no Brasil, atribuindo-os à governação irresponsável de Bolsonaro que tratava a pandemia como uma “constipaçãozinha”.

Acontece que a argumentação da “constipaçãozinha” de Bolsonoro, repetida à exaustão na televisão portuguesa, pelos vistos, acabou por convencer os nossos governantes que, inspirados em Bolsonaro, ainda conseguiram fazer pior, ao ponto de arrebatarmos o título de pior país do mundo. Como diz o nosso Presidente da República, quando os portugueses se empenham a sério conseguem fazer o impossível: o que, neste caso, significa fazer ainda pior do que Bolsonaro. É obra!

No entanto, estranho muito que as mesmas pessoas que culpavam Bolsonaro pelas mortes no Brasil, não atribuam agora, seguindo o mesmo critério, os louros pelo elevado número de mortes a António Costa e à sua ministra da Saúde.

E se, no caso do Brasil, ainda podia fazer sentido o argumento de que o país foi apanhado de surpresa e que havia países ainda piores, no caso português, nem esse argumento se poderá usar, a partir do momento em que somos precisamente o pior. Além disso, o Governo nem sequer pode falar em surpresa, porque a pandemia já por aqui anda há um ano.

O que a gestão desta pandemia veio demonstrar é que um Governo constituído com base em relações familiares e de amizade dificilmente responde a desafios em que se exige competência, rigor e conhecimento. E a incompetência é precisamente a imagem de marca deste Governo, em praticamente todos os ministérios. Tudo boa gente para fazer favores e meter cunhas, mas incapazes de gerir uma chafarica, quanto mais um ministério.

E esta era precisamente a lição que os portugueses deviam colher desta pandemia: a incompetência mata muito mais e é muito mais devastadora de recursos e de postos de trabalho do que qualquer pandemia.  

Santana-Maia Leonardo

1 comentário

Comentar post