Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

COLUNA VERTICAL



Sexta-feira, 30.01.15

A verdadeira causa da vitória do Syriza

Rui Ramos - Observador de 29-1-2015

(...) O euro arrancou como um projecto político, indiferente às realidades financeiras e económicas dos países: o que importava era “integrar” a Europa, incluindo países que todos sabiam não estar preparados, como a Grécia. Para justificar este voluntarismo, acreditou-se que a moeda única, só por si, iria provocar o ajustamento e harmonia das economias europeias. No caso dos países do sul da Europa, entregues à inflação, os crentes do euro esperaram que uma moeda independente dos governos iria impor disciplina aos Estados e obrigar empresários e trabalhadores a combinarem-se para competir nos mercados globalizados através da produtividade, e não da desvalorização monetária.

Como sabemos, não foi assim. É que antes de todas as virtudes, o euro trouxe juros baratos, o que, no sul da Europa, permitiu aos governos e aos cidadãos passarem a viver confortavelmente de dívidas. Os Estados cultivaram défices, os empresários aninharam-se  na construção civil, e os consumidores, coitados, sujeitaram-se mansamente a ser vítimas da “ganância dos bancos”. Foi o tempo da segunda casa e da terceira auto-estrada.

Quando tudo finalmente ruiu, em 2010-2011, a prioridade foi ainda defender o euro e a integridade da sua “zona”. Tentou-se então fazer à pressa, através de “memorandos”, tudo o que não tinha sido feito durante dez anos: os ajustamentos e a harmonização das economias. A isso se chamou “austeridade”.

O colapso dos preços do petróleo inspirou, entretanto, novos planos. A ideia é agora usar o euro para supostamente reanimar as economias europeias, através de uma espécie de imitação do “alívio quantitativo” dos americanos. Ninguém sabe exactamente como funcionará, nem se funcionará. Diz-se que a receita terá feito maravilhas nos EUA. No Japão, porém, parece que não. O que nos devia levar a desconfiar que, muito provavelmente,  o dinheiro, só por si, não resolve tudo.

Economias como a de Portugal ou a de Itália deixaram de crescer desde a década de 1990, e não foi por falta de crédito. Se o dinheiro barato, nos anos de ouro da economia mundial, só serviu para se endividarem, como é que será diferente agora? Na sua violenta crítica da “política de austeridade”, o governador do Banco de Inglaterra, Mark Carney, mencionou as condições em que o “alívio quantitativo” funcionou na Grã-Bretanha: entre outras, uma “economia aberta e flexível”. É assim que se pode descrever a economia grega ou portuguesa? Mais: é esse tipo de economia que os críticos da “austeridade” na Grécia ou em Portugal desejam estabelecer? Não parece.

Um dia, compreenderemos finalmente que o euro não é a causa dos nossos problemas, e também não é a solução.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Perfil

SML 1b.jpg



Visitantes


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Quimeras


Alma, Eléctrico!


Livros

Capa - 3ª Edição.jpg

Capa - Frente.jpg

Capa Bocage.jpg 

Capa.jpg 

Eléctrico - Um Clube com Alma.jpg

Mistério Sant Quat (I).jpg


Livros-vídeo


eBooks




calendário

Janeiro 2015

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D