Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

COLUNA VERTICAL



Quarta-feira, 28.01.15

Depois do Syriza, a Frente Nacional

Rui Ramos - Observador de 26-1-2015

Durante as últimas semanas, a pessoa mais entusiasmada com a perspectiva de uma vitória do Syriza na Grécia não foi Francisco Louçã: foi Marine Le Pen. O quê, a líder da “direita nacionalista” francesa feliz com o acesso da “esquerda radical” grega ao poder? Sim, exactamente. Le Pen, aliás, não poupou as palavras: na Grécia soprava “um feliz vento de democracia”, augurando uma “vitória do povo e dos seus representantes contra a oligarquia europeia e a grande finança”. Há seis dias, foi ainda mais clara: “Sim, nós esperamos a vitória do Syriza!” Nada disto nos devia espantar, e só nos ajudará a perceber o que poderá estar em causa na Grécia, e que é muito mais do que a chamada “austeridade” ou mesmo a configuração actual da moeda única europeia.

As elites políticas europeias estão a ser apertadas por dois tipos de movimentos populistas: um de “esquerda radical”, como o Syriza na Grécia, e outro de “direita nacionalista”, como a Frente Nacional em França. O credo dos primeiros é o ódio aos “ricos”; os segundo também odeiam os “mercados financeiros”, mas rejeitam igualmente a imigração, e muito especialmente a imigração muçulmana. Uns dizem que é o Estado social que está em causa; outros, que é o Estado nacional. Coincidem, porém, no inimigo: a “oligarquia europeia”, como diz Marine Le Pen. Para a esquerda radical, é uma oligarquia neo-liberal, que quer submeter os Estados ao mercado mundial, para gáudio das grandes fortunas; para a direita nacionalista, é uma oligarquia globalizadora, que, segundo o escritor francês Renaud Camus, está a tentar, através da imigração desenfreada, substituir a população nativa da Europa por uma população importada do Terceiro Mundo. (...)

O modo como a esquerda radical do Syriza ultrapassou a esquerda social-democrata do Pasok (que caiu de 43,9% dos votos em 2009 para 4,7% ontem), tal como o triunfo da Frente Nacional nas últimas eleições europeias em França, permite imaginar a maior de todas as eventualidade políticas: uma mudança dos partidos que, nas democracias europeias, fixaram desde a segunda guerra mundial as opiniões da maioria dos cidadãos. À esquerda, os actuais partidos de matriz social-democrata dariam lugar a partidos de matriz radical; à direita, os partidos de matriz liberal-conservadora seriam trocados por partidos de matriz nacionalista. (...)

Estarão a esquerda radical e a direita nacionalista disponíveis para respeitar o pluralismo político e admitir a alternância governativa, que, até hoje, foram os fundamentos das democracias europeias? Não serão as suas políticas, fundamentalmente hostis à liberdade de iniciativa ou de circulação, fatais para uma UE até agora concebida, apesar de todas as limitações, como uma via de abertura das sociedades europeias e flexibilização das suas economias? Nesse caso, a página que se virou ontem na Grécia pode mesmo ser a primeira de um livro muito diferente do que aquele que contém a história dos últimos 70 anos.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Perfil

SML 1b.jpg



Visitantes


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Quimeras


Alma, Eléctrico!


Livros

Capa - 3ª Edição.jpg

Capa - Frente.jpg

Capa Bocage.jpg 

Capa.jpg 

Eléctrico - Um Clube com Alma.jpg

Mistério Sant Quat (I).jpg


Livros-vídeo


eBooks




calendário

Janeiro 2015

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D