Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

COLUNA VERTICAL

"Barcelona respira liberdade e harmonia por todos os poros."

COLUNA VERTICAL

"Barcelona respira liberdade e harmonia por todos os poros."

Rexistir.jpg

Coimbra, 14 de Janeiro de 1980

 

Estiolo no redil dos dôtores

onde as intlegências dã flor e frutes

e onde há penedos e quintas p' alumiar amores

e promovê poetas.

Mas ê cá sô alentejano

e daí que na m’ aveze a estas cavlarias

de subir e descê ladêras,

onde há precisã de esperá p’la noiti

ô de dar um tiro na cornadura

pa s' ouvi falar a quietudi.

 

Como pode um home,

Avezado a verter águas na trasêra dos sobrêros,

Afazê-se às lides da cidade apadralhada

Das capas e batinas?

 

Nasci da charneca

(foi uma alentejana que me pariu)

e cresci como um chaparro.

Sem relógios.

Saltê p'à garupa do Tempo

e acostumê-me a sabê esperari.

 

Mas aqui d’ assim, estes pacóvios

(espertos que nim sobro atascado em água)

na dã credo a isso.

Di e noite atrelados ós pontêros

que nim parelha à charrua!

Homes d’ uma figa,

conhecim melhor as horas c' o cã o dono!

 

Ma n' é só isso que m' infada

Da capital do Bazófias. Antes fora!...

C’o qu' ê n’ atino,

Nim que m´ afocinhim numa cama de tojes,

é c’os desrespêtos à Natureza,

minha senhora e minha mãe.

E atã na é que n’ há aqui filhe da puta

que na bote a boca acima da vista?

Eh! Homes dum corno,

Sã piores c' uma vaca a ruminá palha!

Inda s’ aquilo desse vazão alguma inquietação…

Ma não, só dá vazão às letras e a miolêra da genti.

 

E atã vá-se lá um home ingraçá duma cachopa!...

Já nim sê mêmo pa que Deus fez as fêmeas…

A fêtura dum só sempe dava menos trabalhos

e n’ alevantava desejos.

Se por casa da cobrição,

Os animais tamém tivessim precisã de benzeduras,

já há munto c'os bácros tinhim dêxado de comê landi.

 

Mas estes fadistas letrados

Ô po munto lerim

ô po falta de descorrimento,

na têim a mêma ideia.

 

Mas ê cá continuo c’a minha crença

De que há-de chegar o dia em c' os homes aprendrão

Que na é o home que muda a Natureza,

mas a Natureza que se muda a ela mêmo,

pôs o home tamém é Natureza.

 

A-i-ô!