Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

COLUNA VERTICAL

"Barcelona respira liberdade e harmonia por todos os poros."

COLUNA VERTICAL

"Barcelona respira liberdade e harmonia por todos os poros."

António Guerreiro - Público de 6-2-2015

Para realizar com sucesso a Prova de Avaliação de Conhecimentos e Capacidades (PACC), a que foi recentemente submetida uma parte dos professores contratados, os examinandos – como pode comprovar quem se entretenha com o edificante e ilustrativo exercício de a resolver – tiveram de satisfazer dois requisitos:

1º) suspender até ao limite máximo das suas capacidades o espírito crítico, para que em nenhum momento se levante uma suspeita ou uma interrogação sobre alguns pontos do enunciado da prova, sobre algumas das suas formulações, ou sobre a prova na sua totalidade enquanto instrumento de medição de competências e conhecimentos para se ser professor em qualquer grau de ensino;

2º) uma vez assegurada a disposição para ver o enunciado da prova não como uma charada para animar os lugares de convívio familiar ou social, mas como um exercício plausível e cheio de racionalidade metodológica, é preciso uma identificação total com a estultícia dos examinadores, até esta parecer, mesmo naqueles momentos em que a fé começa a vacilar, prova de uma suprema inteligência, à altura da qual o examinando tem de ascender.

Deste modo, sempre que o examinando, preparado para a actividade de problem solving, achar que há incongruências e até erros, deve pensar que isso acontece de propósito, por crueldade, e não por estupidez. É que a crueldade provoca, mas a estupidez desmoraliza. (...)

A máquina de guerra destes testes estandardizados consiste na obsessão pela objectividade, pela medição de algo que é objectivo, e se não é tem de passar a ser. Só assim é possível dar como evidente o pressuposto de que uns testes de escolha múltipla permitem medir o valor e a competência dos professores. (....)

O que vemos neste tipo de provas é, mais uma vez, a falácia da máquina da avaliação: ela presume uma cientificidade que de modo nenhum consegue demonstrar que possui.