Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

COLUNA VERTICAL

"Barcelona respira liberdade e harmonia por todos os poros."

COLUNA VERTICAL

"Barcelona respira liberdade e harmonia por todos os poros."

Bimec 640.jpg

Fui chamado a cumprir o serviço militar obrigatório, em Agosto de 1983, quando estava prestes a passar à reserva territorial. Na altura, estava a iniciar o meu estágio profissional e tinha dois filhos menores com 3 e 2 anos, respectivamente. No entanto, o grande número de objectores de consciência desse ano fez com que eu tivesse sido chamado, quando já não era previsível que fosse.

Face à minha situação familiar e profissional, toda a gente, excepto a minha família directa, me aconselhava a invocar também a objecção de consciência. Acontece que não está no meu ADN familiar fugir à assumpção das minhas obrigações por muito custosas que elas sejam. E apresentei-me na Escola Prática de Infantaria, em Mafra, no dia 15 de Agosto de 1983.

Cumpri o serviço militar obrigatório na Escola Prática de Infantaria, em Mafra (15/8/1983 a 15/12/1983), onde fui o 1.º Classificado do Curso de Oficiais Milicianos, na minha especialidade, e, no BIMec, em Santa Margarida (1984), onde comandei o pelotão de Morteiros Pesados, na Companhia de Apoio de Combate comandada pelo Capitão Santos, dos Comandos.

O BIMec foi, no entanto, fundamental na minha formação. E num momento em que a "tropa fadanga" volta colocar em causa a "tropa", quero deixar aqui o meu testemunho de que o ano que passei no BIMec, extremamente duro, sob o comando do Capitão Santos, dos Comandos, foi mais importante na minha formação do que todos os anos que passei na escola e na universidade (duas licenciaturas e, a segunda, nunca a teria conseguido tirar, nas circunstâncias difíceis em que o consegui, se não tivesse servido no BIMec).

Na minha companhia, os oficiais distinguiam-se dos soldados por duas razões: nos exercícios, o oficial era o primeiro a fazê-los; nas refeições, o oficial era o último a ser servido. Este é um ensinamento para a vida. Foi no BIMec que aprendi a diferença entre mandar e comandar. À medida que se sobe na escala hierárquica, aumentam as obrigações e diminuem os direitos.

Conheço muito poucos portugueses cientes desta diferença absolutamente essencial entre mandar e comandar: quem manda dá ordens; quem comanda dá o exemplo. Por isso, abundam por aí os chefes e faltam os líderes. 

Já Camões se queixava disso ao rei D. Sebastião, no final do Canto X de “Os Lusíadas”: «Fazei, Senhor, que nunca os admirados/ Alemães, Galos, Ítalos e Ingleses,/ Possam dizer que são pera mandados,/ Mais que pera mandar, os Portugueses.» Ora, é precisamente isso que hoje toda a Europa (e não apenas os alemães, franceses, italianos e ingleses) pensa dos portugueses: somos melhores para ser mandados do que para mandar.

Obrigado, meu Capitão!

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.