Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

COLUNA VERTICAL

"Barcelona respira liberdade e harmonia por todos os poros."

COLUNA VERTICAL

"Barcelona respira liberdade e harmonia por todos os poros."

Helena Matos - Observador de 28-12-2014

A imagem não é minha mas sim de Raquel Varela que referindo-se a Passos Coelho o viu “com o seu fato de alfaiate de segunda, morador suburbano”. Por sinal acho que Raquel Varela tem razão. Só que, como é próprio da extrema-esquerda, Raquel Varela não percebeu a razão da razão que tinha.

De facto Passos Coelho não só vive nos subúrbios como os seus fatos são semelhantes a milhares de outros que os habitantes dos subúrbios vestem durante os dias de semana. Ora aquilo a que se assiste neste momento entre os protagonistas da política em Portugal é também uma clivagem social e geracional. Uma clivagem transversal ao espectro político e em que os subúrbios e os fatos de segunda não serão irrelevantes. (...)

O que vivemos neste momento é um desacerto entre o mundo mediático e uma parte das elites dos partidos. Não interessa se se gosta ou detesta. Interessa apenas que é assim. Da extrema-esquerda ao CDS as nomenclaturas falam, agem e imaginam-se num Portugal em que eles, urbanos e cultos, pairam sob um povo de forte pendor rural. É o país dos muito pobres e dos muitos ricos, dos privilegiados e dos sem-abrigo. O país no qual eles, os políticos, se veem a corrigir os desequilíbrios e as injustiças e a mudar a realidade à força de decretos-lei.

Só que esse país, por mais fotogénico que fosse, e de facto era e ainda é nas reportagens paternalistas que o New York Times nos dedica, coexiste com um Portugal suburbano, cheio de homens que vestem fatos de alfaiates de segunda para ir trabalhar. Alguns optam por uma ainda mais esteticamente dramática versão desportiva. As élites partidárias, culturais e mediáticas abominam este mundo que não fica bem nas fotografias, não aparece muito nas encíclicas e não encontra explicação em Marx. Das universidades onde se multiplicam os centros de estudos dirigidos por clones de Raquel Varela às sedes partidárias sejam elas de esquerda ou de direita, a dicotomia entre os muito pobres e os muito ricos justifica-lhes muito mais o seu pendor intervencionista.

Mas o país suburbano existe e é fundamental que os grandes partidos e os seus líderes democratizem a relação que têm com ele. Caso não o façam o desinteresse dessas pessoas será um dos terrenos em que crescerão os populismos que tornarão o país ingovernável. Os casos da França e da Espanha são um bom exemplo daquilo a que pode conduzir a clivagem entre os partidos democráticos e a realidade. Só que em Portugal não será sequer necessário que surjam uma Frente Nacional ou um Podemos para que acabemos num beco sem saída ou mais propriamente a acreditar que é possível regressar ao passado. PS e PSD têm mais do que quanto baste de gente que acredita que tal não só é possível como desejável.