Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

COLUNA VERTICAL

"Barcelona respira liberdade e harmonia por todos os poros."

COLUNA VERTICAL

"Barcelona respira liberdade e harmonia por todos os poros."

TERRA-DE-NINGUEM_-_Capa_large.jpg

Portugal já era, em 1974, um país bastante desequilibrado social e territorialmente. Mas a verdade é que o regime democrático, apesar de andar sempre com a coesão social e territorial na boca, tornou esse desequilíbrio absolutamente irreversível, tornando Lisboa numa verdadeira Cidade Estado. E agora é impossível reverter isso, até porque o peso dos votos está cada vez mais concentrado à volta do Terreiro do Paço. Aliás, o sonho e o destino de qualquer jovem que hoje nasça no Interior resume-se a ir viver e trabalhar para Lisboa. E os poucos que por aqui ficam são olhados com algum desdém como se tivessem algum defeito. O que é hoje um alentejano, um ribatejano, um beirão ou um transmontano? São alfacinhas cheios de orgulho nas suas raízes mas que não querem ir viver para a sua terra natal, nem desejam que os seus filhos vão. 

PS e PSD são hoje duas faces da mesma moeda e com a mesma política de esvaziamento do interior em prol da região de Lisboa. Todas as reformas estruturais levadas a cabo pelos governos socialistas e pelo actual governo [1] foram nesse sentido, assim como serão todas aquelas de que por aí se fala e que aguardam pelo próximo Governo, seja ele PS, PSD-PS ou PSD-CDS.

E não me venham falar na regionalização… O que interior precisa não é de aumentar os níveis de decisão, a burocracia e a corrupção. Disso já cá temos de sobra. O que o interior necessita é de um Governo que faça a Lisboa o que os Governos do PS e do PSD têm feito ao interior. Ou seja, encerrar serviços da Administração Pública, Hospitais, Tribunais, Universidades, Quartéis, Ministérios, Secretarias de Estado, Direcções-Gerais, etc. em Lisboa e transferi-los para o interior. O que Portugal precisa, no fundo, é de um Governo que administre este pequeno território com dez milhões de habitantes como se administra uma cidade e não que administre Lisboa como se fosse o país.

O problema é que Lisboa está transformada num daqueles meninos ricos que, apesar de terem tudo, são incapazes de abrir mão de um simples brinquedo para o pobrezinho que nada tem. E PS e PSD são os paizinhos deste menino rico. Dão-lhe tudo, apesar de terem a perfeita consciência de que isso é prejudicial para o crescimento harmonioso de Lisboa e do país.

Não existe no espectro político português um único partido que defenda um modelo de desenvolvimento para o país assente em cidades médias, com um programa sério de combate à desertificação do interior e que passaria, necessariamente, por uma nova reorganização administrativa, com o fim do municipalismo (na sua vertente político-administrativa) e pela transferência de serviços de Lisboa para o Interior. E, como não existe esse partido, nem existem condições objectivas para existir, desde logo porque quem aqui vive ou é velho ou só pensa em fugir daqui, não tenho em quem votar, nem quem me represente.

Janeiro de 2015

---------------------------

[1] Governo de coligação PSD-CDS