Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

COLUNA VERTICAL

"Barcelona respira liberdade e harmonia por todos os poros."

COLUNA VERTICAL

"Barcelona respira liberdade e harmonia por todos os poros."

Foto.jpg

Antigamente dizia-se que "vergonha não é roubar. Vergonha é roubar e ser apanhado."  Mas agora são apanhados e não têm vergonha nenhuma. Ainda gozam connosco... 

Sócrates recebia milhões em notas por mera amizade. O Benfica, pelos vistos, paga jantaradas a famílias inteiras esganadas com fome e que comem que nem uns alarves, por mera cortesia. E paga as contas dos alarves, durante meses a fio, sem nunca lhes cortar a ração… Por mera cortesia. Mais valia oferecerem-lhes uns vouchers para ir às putas, como fazia o Porto, sempre saia mais barato e, de certeza, que não levavam a família. As putas que me perdoem mas escusavam de parir tantos filhos…

E tem comparação dar um presente a um árbitro estrangeiro que vem arbitrar um jogo internacional, sobre quem os clubes não têm qualquer poder, ao pagamento de jantaradas, por conta da casa, a todos os árbitros, delegados e observadores que compõem o quadro de árbitros, delegados e observadores nacional?

E depois ainda têm o descaramento de argumentar com o cínico "quem é que se ia vender por uma jantarada", ainda por cima num país onde a maioria se vende apenas para sentir o bafo do poder.  Aliás, o Benfica é a prova disso mesmo. Com efeito, a maioria dos benfiquistas (que constituem metade da população portuguesa) torcem pelo Benfica contra o clube da sua terra sem saberem muitos deles onde fica Lisboa, apenas porque o Benfica é o maior clube português e sem ter havido sequer necessidade de lhes pagar o almoço. O que se passa no futebol passa-se na política. Se um presidente da câmara pedir um favor a alguém, poucos têm a coragem de dizer que não e, então, se ainda lhes pagar o jantar ou o convidar para a sua mesa... Até se atropelam! Agora se for alguém da oposição ou alguém sem poder...

Não tarda nada ainda vamos assistir, durante o decurso dos processos e antes da sentença, a juízes, procuradores e funcionários judiciais a encher o bandulho no Gambrinus, à conta dos arguidos, por mera cortesia.

Santana-Maia Leonardo - Diário As Beiras 4-3-2020