Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

COLUNA VERTICAL


Domingo, 30.01.11

AS SETE VIDAS DE SÓCRATES

Santana-Maia Leonardo - in Nova Aliança  

 

Nas eleições presidenciais, Sócrates precisava:

  

(I) que Manuel Alegre, apesar do seu apoio, tivesse uma derrota estrondosa, para liquidar, de vez, a oposição interna que defende uma coligação de governo à esquerda e que já andava a levantar a crista, adivinhando o fim de ciclo e preparando a sucessão;

 

(II) que Cavaco Silva vencesse as eleições, porque era o único que, na Presidência, lhe dava cobertura às duras medidas que vai ter de impor aos portugueses;

 

(III) que Cavaco Silva ganhasse fragilizado, para não se entusiasmar demasiado com a vitória e para perceber a campanha suja que o espera se se atrever, por sua iniciativa, a dissolver o parlamento.

 

Ora, foi precisamente isto que sucedeu. Melhor? Nem de encomenda...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quinta-feira, 06.01.11

O DOENTE E AS DOENÇAS

Santana-Maia Leonardo - in Nova Aliança 

 

As próximas eleições presidenciais são, na verdade, o espelho do labirinto sem saída onde o actual sistema político nos conduziu. Porque se Cavaco Silva é o candidato do sistema, como resulta claramente da promulgação da vergonhosa lei do financiamento partidário, os outros candidatos presidenciais representam, por sua vez, as maleitas do sistema.

 

Ou seja, nas próximas eleições presidenciais, estamos condenados a escolher entre o doente e as doenças, quando o que o país precisava era de um médico que curasse o doente e nos livrasse das doenças.

 

Enfim, tendo em conta os candidatos que se apresentam, não nos resta outra alternativa que a de optar pelo doente. Do mal o menos.  

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sexta-feira, 31.12.10

CONSTRUTORAS CONTROLAM POLÍTICA

Extracto da entrevista de João César das Neves ao DN de 19/12/10

 

Em Abril ou Maio, houve um Conselho Europeu e o eng. Sócrates voltou com um puxão de orelhas da Merkel, dizendo: os alemães disseram “Portugal tem de fazer coisas!” Nos dias seguintes foram anunciadas duas medidas. Primeira, cortes no subsídio de emprego e no rendimento social de inserção. Depois, manutenção do TGV para o futuro. E eu percebi… Um Governo socialista vai cortar o subsídio de desemprego e o rendimento social de inserção mas não consegue enfrentar quem o suporta, quem lhe paga, que são as construtoras… Esse facto despertou-me a atenção para o nível a que estes grupos instalados estão, de facto, a controlar a política. (…)

 

Sou muito amigo do professor Cavaco Silva. (…) Apoiei-o nas duas candidaturas dele, na que ganhou e na que perdeu e fiz parte da comissão mas desta vez não aceitei. E não é por nenhuma contestação pessoal com ele, é, de facto, porque a assinatura dele está numa enorme quantidade das piores leis contra a família da História de Portugal.(…)

 

Na política encontrei o melhor e o pior: pessoas absolutamente espantosas e pessoas absolutamente asquerosas, e estão lá todos na política. E percebi que não tenho estômago para aquilo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Domingo, 26.12.10

OS DIREITOS E A ESQUERDA

Santana-Maia Leonardo - in Nova Aliança 

 

A crítica de Manuel Alegre a Cavaco Silva por este não ter sido um resistente ao salazarismo é, no mínimo, surpreendente, sobretudo vinda de quem vem. Com efeito, faço a justiça de considerar que também para Manuel Alegre, tal como para mim, todos os homens têm a mesma dignidade social, independentemente da sua nacionalidade, raça, sexo, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução ou condição social.

 

Também reconheço que não fica bem a um candidato a Presidente da República um passado conformado com o Portugal de Salazar, um país de partido único, onde existia polícia política, tortura e censura. Mas pior do que isso é o passado de um candidato a Presidente da República conivente com a Argélia de Ben Bella e de Boumédiène, um país de partido único, onde existia polícia política, tortura e censura, em doses muito maiores e mais bárbaras do que o Portugal de Salazar.

 

Na verdade, pior do que viver conformado com o Portugal de Salazar é lutar contra o Portugal de Salazar, a partir de um país com um regime muito mais cruel e onde as violações dos direitos humanos eram muito mais graves.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Domingo, 12.12.10

AS PRESIDENCIAIS

António Belém Coelho 

 

As eleições presidenciais que se avizinham, apesar da crise sem precedentes em que vivemos, parece ser daquelas em que a opção será das mais claras e transparentes para a grande maioria da população.

 

Apreciando o leque de candidatos, certamente todos eles com o direito constitucional de se poderem fazer eleger, e sobretudo apreciando as linhas programáticas de actuação que cada um deles tem até agora apresentado ou não, a escolha é única e clara.

 

E se formos mais longe em termos de análise, perscrutando a vida política dos candidatos e os serviços por eles prestados ao País nos cargos até agora desempenhados, mais clara ainda é a escolha.

 

Só o Professor Cavaco Silva consegue reunir um conjunto de atributos que o tornam para muitos Portugueses o homem certo no lugar certo: o conhecimento profundo da situação real do País a diversos níveis, o conhecimento exacto dos momentos e locais correctos onde efectuar a chamada magistratura de influência para obter os resultados necessários, a experiência, contactos e mesmo relações de amizade a nível internacional, uma aura de seriedade e trabalho que hoje em dia se torna cada vez mais difícil de encontrar na classe política.

 

Daí continuar a personalizar e a corporizar um capital ainda maior de esperança junto da maioria dos cidadãos portugueses, no sentido de contribuir para a resolução da situação que vivemos.

 

Todos estes juízos mais se reforçam quando olhamos os enfeudamentos e contradições apresentados por outros candidatos, que os obrigam a dizerem-se num dia para se desdizerem no outro ou então optarem por silêncios ensurdecedores para quem outrora os apoiou.

 

O Professor Cavaco Silva tem sabido respeitar e promover a estabilidade democrática, sem abdicar de intervir, sempre dentro da esfera dos seus poderes, de forma sóbria e discreta, quando entende que está em causa algo que possa contrariar o que pode ser interpretado como as convicções profundas dos Portugueses e o interesse nacional.

 

O facto de periodicamente (e agora certamente com maior intensidade) ser acusado, sempre pelos mesmos sectores e personalidades de ser pouco interventivo e também pelo seu contrário, só demonstra à saciedade o acerto da sua conduta no contexto em que vivemos.

 

E não tenhamos dúvidas que no dia em que seja preciso dar um murro na mesa, seja quem for que protagonize a governação, não por cálculos próprios ou alheios, mas pela constatação de que tal será o melhor para o País, fa-lo-á com toda a legitimidade que o voto popular e o seu percurso lhe outorgam.

 

O Professor Cavaco Silva não é certamente um homem só com qualidades, sem defeitos. É um ser humano como todos nós. Também errou aqui e ali, como todos nós, no seu percurso; mas justamente porque estava lá e tomou decisões.

 

Mas objectivamente as primeiras suplantam amplamente os segundos.

 

Por tudo isso, a minha escolha é clara: apoio e votarei no Professor Cavaco Silva nas eleições presidenciais.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Domingo, 07.11.10

CAVACO, O MEU EX-PRESIDENTE

Santana-Maia Leonardo - in Público de 6/11/10 

 

Sempre votei e apoiei Cavaco Silva. E fi-lo sempre por convicção. E foi precisamente por acreditar na sua promessa de que seria capaz de devolver Portugal ao crescimento e prosperidade, em "cooperação estratégica" com a maioria socialista, que votei nele nas últimas presidenciais.

 

Acontece que Cavaco Silva teve o condão de me fazer perder o pouco respeito que já tinha pela nossa classe política. Pensava eu que se tratava de uma pessoa de convicções, recta e frontal. Não é. Pelo contrário, é mais um dos muitos políticos, que por aí anda, calculista, curvilíneo e consensual.

 

É óbvio que, para haver "cooperação estratégica" com o Governo, seria necessário, antes de mais, que o Governo quisesse cooperar com o Presidente, o que manifestamente não sucedeu. Mas o Presidente não podia deixar de ver aquilo que entrava pelos olhos de qualquer pessoa com "dois dedos de testa": a corrida vertiginosa para o abismo a que as políticas irresponsáveis e criminosas do Governo, nas mais diferentes áreas (educação, justiça, obras públicas, trabalho, família, administração pública, etc.), nos estavam conduzir.

 

Acontece que o Presidente assistiu à derrocada de Portugal, impávido e sereno, sem nunca ter sentido a necessidade e a urgência de fazer uma comunicação ao país com a mesma força e determinação da que fez sobre o Estatuto dos Açores.

 

Na sua comunicação ao País, a propósito da promulgação dos casamentos gay, ficámos todos a perceber a razão deste silêncio cúmplice com a política criminosa do Governo: para o Presidente, a ética das convicções deve ceder à lógica das conveniências, a que eufemisticamente resolveu chamar "ética da responsabilidade".

 

De José Sócrates, não esperava nada. De Cavaco Silva, esperava tudo, menos isto: que preferisse sacrificar Portugal a sacrificar a sua vitória eleitoral.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Perfil

SML 1b.jpg



Visitantes


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Quimeras


Alma, Eléctrico!


Livros

Capa - 3ª Edição.jpg

Capa - Frente.jpg

Capa Bocage.jpg 

Capa.jpg 

Eléctrico - Um Clube com Alma.jpg

Mistério Sant Quat (I).jpg


Livros-vídeo


eBooks




calendário

Setembro 2019

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D