Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

COLUNA VERTICAL


Terça-feira, 07.06.11

ACORDAR

António Belém Coelho

  

Portugal adormeceu ontem com os resultados das eleições legislativas; dormiu bem, sem dúvida, face às insónias de que padece desde há seis anos; e acordou hoje com todos os benefícios e consequências desses resultados.

 

O País deparou-se com duas campanhas completamente antagónicas: a do Partido Socialista em que o Eng. Sócrates, interpretando abusivamente a estrutura em que estava integrado, com a bênção dos principais responsáveis, encenou a fábula da cigarra e da formiga, mas sempre do ponto de vista mais fácil, o da cigarra!

 

E a do Partido Social Democrata, com grande ênfase na formiga, malgrado todas as dificuldades inerentes.

 

Só que o Povo Português preferiu a fábula original; votou maioritariamente em quem apresentou um programa com medidas difíceis e penalizadoras a curto prazo, mas coerentes e sólidas e sobretudo capazes de a médio prazo serem capazes de fazerem surgir as condições necessárias e suficientes para possibilitarem o crescimento económico.

 

Que efectivamente é o que importa. E só depois de ser realidade, nos poderemos voltar para o desenvolvimento económico e social que tanto prezamos e defendemos, mas que é perfeitamente inviável sem o primeiro! Só isso!

 

E convém dizer claramente que o grande arquitecto e coordenador deste programa de governo, sincero, coerente e que não engana ninguém, é um ilustre filho da terra: o Dr. Eduardo Catroga. Que se por acaso fosse um elemento da chamada esquerda política, como aconteceu a muitos outros com bem menos merecimentos, já teria certamente por cá uma série de prebendas que na verdade nada acrescentariam ao seu valor, que é muito, mas que aos olhos dos compagnons de route habituais o elevariam a outros patamares.

 

Mas o facto indesmentível é que o País votou laranja em termos maioritários; em quase todos os distritos do continente e nas regiões autónomas, o PSD venceu. Excepção a Setúbal, Beja e Évora em que, não vencendo, a progressão foi evidente e a vitória discutida pouco a menos que taco a taco.

 

No nosso distrito a vitória do PSD foi clara; 5 deputados contra 3 do PS, 1 do CDS e 1 da CDU.

 

No Médio Tejo, unidade territorial a que pertencemos, o mapa laranja só é quebrado por Abrantes, Constância e Vila Nova da Barquinha.

 

Ou seja, em termos de municípios de média dimensão, Abrantes foi o único em contra-ciclo, preferindo votar de forma contrária à sua região, ao seu distrito, ao seu país! Enfim, cada um poderá concluir aquilo que muito bem entender!

 

Mas enquanto que o País preferiu a seriedade, mesmo que dolorosa, à mentira, por mais doce que seja, enquanto que o país preferiu assentar os pés no chão, encarar a realidade dura, em vez de acreditar num país imaginário cor de rosa que nos queriam impingir à viva força, Abrantes fez exactamente o contrário!

 

É certamente uma opção tão legítima e responsável como qualquer outra; mas que a mim,  Abrantino desde sempre, me causa preocupação. Mas o facto é que a teia continua a prender muito boa gente, embora desta vez os fios tenham ficado de sobremaneira frágeis.

 

Mas certamente que a estrutura concelhia do PSD já terá tirado as devidas ilações, quer em termos tácticos e estratégicos; se o não fizer, mal irão as coisas.

 

Lembremo-nos que em concelhos como Benavente, Golegã, Cartaxo, etc, o PSD ganhou; em Ourém, cuja autarquia é PS, o PSD obteve mais de 61% dos votos! Fica a interrogação: o que se passa em Abrantes? Onde efectivamente a oposição (e não sou eu que o digo, basta consultar os meios de comunicação social e muitos blogs) é das mais activas.

 

Mas viremo-nos para o futuro: esperemos que o PS, agora na oposição, tenha tomado boa nota das palavras de despedida do seu líder, ou seja, se paute por um comportamento responsável e que sobretudo saiba respeitar e honrar o que assinou, sem subterfúgios nem qualquer tipo de reserva mental.

 

Só assim poderá continuar a servir o País e constituir-se como alternativa válida para o futuro!

 

Mas o facto de nesta legislatura terem assento na sua bancada muitas figuras da sua dita ala esquerda, poderá dar-lhe a tentação de renegar o acordo e tentar renegociá-lo na rua! Nada de mais errado. Seria o hara-kiri absoluto!

 

Mas estou certo que o PS, na sua tradição democrática e sem renegar a sua matriz ideológica, saberá escolher uma liderança que conjugue essa mesma tradição com os compromissos por si assinados e com os superiores interesses do país. Os líderes passam, as instituições ficam! Quem não perceber isso, fica fora do comboio do futuro. Que não é de todo um qualquer TGV!

 

Termino reconhecendo que nos esperam tempos e medidas difíceis; sem as quais poucas esperanças de futuro poderíamos ter. Vai doer, mas é como a injecção que devemos suportar para conseguirmos de novo um estado de saúde sempre relativa, que a realidade não pára! Apenas muda e cabe-nos a nós adaptarmo-nos o melhor possível!

 

E convém não matar o mensageiro (neste caso o médico), mas sim fazer todos os possíveis para que o tratamento possa dar resultado. Não há verdadeiramente alternativa!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sexta-feira, 03.06.11

VOTA PS!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Terça-feira, 31.05.11

REUNIÃO DA CÂMARA DE 30/5/11 (III)

GALA DA ANTENA LIVRE - ATRIBUIÇÃO DE SUBSÍDIO

 

Proposta de deliberação da Presidente da Câmara: aprovar a atribuição do valor de 2.500,00€ (dois mil e quinhentos euros) à Rádio Antena Livre, para fazer face a despesas com a realização da VI Gala Antena Livre, no passado dia 29 de Abril de 2011.

 

-----------------------------------------------------

DELIBERAÇÃO: Aprovada por maioria com os votos a favor dos vereadores eleitos pelo PS e pelo ICA e os votos contra dos vereadores eleitos pelo PSD. 

-----------------------------------------------------

 

Declaração de voto (CONTRA) dos vereadores eleitos pelo PSD

 

O Jornal de Abrantes e a Rádio Antena Livre pertencem a um dos maiores grupos empresariais portugueses: o Grupo Lena. Ou seja, não se trata propriamente de um grupo sem fins lucrativos.

 

Por sua vez, segundo consta do site "Despesa Pública", a Câmara já contratou publicidade, por ajuste directo, a estes dois órgãos de informação no montante de €20.480,00, para além de ter autorizado a dispensa total do pagamento das taxas para a cedência do Teatro S. Pedro para a realização da referida Gala.

 

Consequentemente, parece que o contributo da Câmara para estes dois órgãos de comunicação social já é mais do que suficiente.

 

Além disso, era bom não esquecer que «não basta à mulher de César ser séria, é preciso também parecer».

 

E, neste caso, devia haver cautelas acrescidas e por duas razões óbvias: em primeiro lugar, porque o director da Rádio Antena Livre e do Jornal de Abrantes é ex-vereador do PS e marido da ex-vereadora e presidente local do PS; em segundo lugar, porque todos ainda estamos recordados da estranheza do inspector do ambiente, em 2003, pelo facto de só as empresas do Grupo Lena ganharem concursos na Câmara de Abrantes.

 

Ora, o Jornal de Abrantes, desde que o ex-vereador socialista se tornou no seu director, consegue, hoje, superar em parcialidade e propaganda socialista o próprio boletim municipal "Passos do Concelho".

 

Por sua vez, a Rádio Antena Livre só já é livre de nome porque se encontra totalmente refém da família socialista abrantina (família no verdadeiro sentido da palavra) e dos seus compagnons de route, entendendo-se por "compagnons de route" todos aqueles que, não sendo socialistas, servem objectivamente a causa socialista no nosso concelho.

 

Sendo certo que, mesmo uma rádio familiar ou partidária, está obrigada, designadamente, a «garantir uma ética de antena que assegure o respeito pela dignidade da pessoa humana e pelos direitos fundamentais e demais valores constitucionais», a «garantir uma informação independente face ao poder político» e a «assegurar o respeito pelo pluralismo, rigor e isenção da informação» (ver lei da rádio).

 

Por outro lado, também não colhe, neste caso, alegar-se que, tratando-se de dois órgãos de comunicação social privados, caberá a eles escolher a linha redactorial que mais lhe interessar.

 

Isto só teria validade se a Câmara não os financiasse directa ou indirectamente, através de contratos de publicidade essenciais para a sua sobrevivência.

 

Ao fazê-lo, não pode a Câmara evitar que qualquer pessoa relacione os apoios como contrapartida à propaganda socialista que este dois órgãos de comunicação levam a cabo no concelho.

 

E lá voltamos à mulher de César...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Domingo, 29.05.11

ALGUÉM ME PODE EXPLICAR?

 

Alguém me pode explicar por que razão a corrupção não é um problema a levar à campanha e que parece não interessar nenhum dos grandes partidos? Na verdade, vindos de anos e anos de "casos" de corrupção que envolvem políticos, a começar pelo BCP e a acabar nas sucatas do senhor Godinho, numa altura em que existe a convicção popular generalizada de que existe muita corrupção no sistema político e análises técnicas, académicas e policiais apontam no mesmo sentido, a indiferença que PS e PSD mostram perante o tema é inadmissível. Para não ir mais longe. (...)

Alguém me pode explicar por que razão a justiça e a segurança estão ainda mais ausentes nesta campanha do que nas anteriores? (...)

 

Alguém me pode explicar como é que se "emagrece" o Estado (estamos na época das metáforas orgânicas) sem despedimentos na função pública? Alguém me explica como é que se extinguem centenas de organismos, institutos, empresas públicas nacionais e municipais sem se saber para onde é que vão as dezenas de milhares de pessoas que nelas trabalham? Ou será que se pensa que só há cargos de direcção e administração nesses organismos e não há contínuos, secretárias, pessoal auxiliar, técnicos, motoristas, pessoal de manutenção, etc.? Vai-se alimentar o desemprego ou o subemprego?
 

Pacheco Pereira in Público de 28/5/2011

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sexta-feira, 27.05.11

O FIM DAS NOVAS OPORTUNIDADES

Santana-Maia Leonardo - in Nova Aliança 

 

O panfleto que o PS intitula pomposamente de programa eleitoral só tem comparação com certas moções de estratégia que por aí são aprovadas, feitas de lugares comuns, banalidades e outras vulgaridades, que só a boa educação ou a ignorância dos ouvintes os impede de desatar a rir às gargalhadas, para mais quando são lidas em voz alta com ar formal.

 

Só mesmo no país das Novas Oportunidades, é possível José Sócrates aparecer nas sondagens com mais intenções de votos do que o CDS, o Bloco de Esquerda ou o Partido Comunista. Será possível o povo português ser tão irresponsável ao ponto de ainda ponderar em manter na direcção da sua empresa o director que a levou à falência? Isto, no fundo, só vem demonstrar que os culpados da situação em que o país se encontra, afinal, são os portugueses que, nas democracias liberais, são os verdadeiros accionistas da empresa nacional.

 

A democracia tem, pelo menos, esse mérito: ninguém é governando melhor do que o que merece. E nós só temos o que merecemos. Mas de uma coisa podem estar certos: acabaram-se as novas oportunidades.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Terça-feira, 10.05.11

O LUGAR NO ANZOL

Santana-Maia Leonardo - in Nova Aliança

 

Fico absolutamente estarrecido quando vejo comentadores e jornalistas, com algum coeficiente de inteligência, interpretarem a inclusão de independentes nas listas de deputados como um sinal de abertura dos partidos à sociedade civil. Nada mais falso.

 

Como qualquer pessoa constata a olho nu, os aparelhos partidários são, em regra, constituídos por gente pouco recomendável, que descobriu na política a forma mais rentável e menos custosa de governar a sua vidinha e a dos seus. E, por isso, é praticamente impossível retirar-lhes o poder interno, mantido e conquistado com todo o tipo de safadezas: eleições viciadas e fantasma, clima de intimidação e de ajavardamento, militantes filiados aos molhos ou quotas pagas pelo próprio aparelho,  etc. etc. etc.

 

No entanto, os aparelhos partidários estão absolutamente conscientes da sua degradada imagem pública. Necessitam, por isso, nas eleições nacionais, de se esconder atrás dos independentes e de figuras de prestígio, para conseguirem alcançar os seus intentos. Ou seja, os independentes não são mais do que o isco que os aparelhos partidários utilizam para conquistarem o verdadeiro poder que lhes interessa: o de distribuir os tachos pelos seus fiéis.

 

O PSD ou o PS podem convidar um independente para deputado ou presidente da Assembleia da República, mas não o convidam de certeza para presidente da distrital de Lisboa ou do Porto. Aos independentes oferece-se apenas o lugar no anzol, não o poder para distribuir benesses.

 

Ora, só se poderá falar verdadeiramente da abertura dos partidos à sociedade civil, quando qualquer cidadão se puder candidatar aos órgãos directivos dos partidos, sem cartão de militante e em eleições livres e abertas a todos os cidadãos que queiram participar. E os independentes só deviam chegar a candidatos a deputados por esta via, a única via que garante poder efectivo dentro do partido pelo qual concorrem. Caso contrário, não passam de meros jogadores de futebol disponíveis para vestir a camisola do partido que melhores condições lhe oferecer.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Domingo, 17.04.11

RÓMULO MACHADO, UMA VOZ PS NO DESERTO

 

Rómulo Machado é a melhor prova de que a verdadeira independência nada tem a ver com a militância partidária ou o apartidarismo militante.

 

E num país, onde a esmagadora maioria se acotovela para arranjar um lugar na mesa do Orçamento de Estado ou vive das migalhas que vão caindo da mesa, ainda se torna mais digno de admiração a coragem de Rómulo Machado ao dizer o óbvio na cara dos seus camaradas socialistas que, no congresso, cerravam fileiras em torno do "nosso querido líder", apavorados com a perda iminente dos tachos, das prebendas e das mercês.

 

Por outro lado, o silêncio que a comunicação social votou a única ou uma das únicas vozes nobres que se fizeram ouvir no congesso do PS atesta bem o nível de comprometimento dos grupos empresariais e redactoriais que a suportam com a actual situação de decadência financeira, social e moral do nosso país.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sexta-feira, 15.04.11

PS NÃO RESPEITA ESTATUTO DA OPOSIÇÃO

Mirante - edição de 14/4/11

 

Os dois vereadores do PSD na Câmara de Abrantes votaram contra o Relatório de Avaliação do Direito da Oposição relativo ao ano de 2010 por considera que a maioria socialista que governa o município não respeitou o Estatuto do Direito da Oposição. “Tanto assim que foi necessário participar ao Ministério Público para que as propostas apresentadas pelos vereadores do PSD, assim como as informações solicitadas, passassem a ser agendadas e as informações prestadas de acordo com a lei”, consideram os vereadores social-democratas Santana-Maia Leonardo e António Belém Coelho.

 

Os autarcas “laranja” referem ainda que o boletim municipal “continua a ser um boletim de divulgação e propaganda exclusiva da maioria socialista do executivo camarário, onde até as intervenções e as propostas dos vereadores da oposição são seleccionadas e censuradas pela senhora presidente”.

 

O Relatório de Avaliação do Direito da Oposição foi aprovado por maioria, com os votos favoráveis dos autarcas do PS e do vereador do movimento independente ICA. 

 

Ver post relacionado:

Reunião da câmara de 4/4/11 (I) 

Reunião da câmara de 21/6/10 (I) 

Vereadores queixam-se ao Ministério Público 

Comunicado à impensa de 11/6/10 

Reunião da câmara de 7/6/10 (III) 

Reunião da câmara de 3/5/10 (III) 

A Lei da Rolha e a Lei da Selva 

Reunião da câmara de 12/4/10 (I) 

Reunião da câmara de 1/3/10 (I) 

Relatório da Avaliação do Direito da Oposição (ano de 2009)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quarta-feira, 13.04.11

PEDIDO DE AJUDA ACABA DE SER FORMALIZADO

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quarta-feira, 02.03.11

A UNIÃO NACIONAL SOCIALISTA

Santana-Maia Leonardo - in Nova Aliança 

 

Quem olha objectivamente para o comportamento dos dois maiores partidos portugueses não pode deixar de ficar com a estranha sensação de que se trata do mesmo partido desdobrado em dois (PS e PSD) para garantir a sua governação contínua. Desta forma, cria nos eleitores a ilusão de que existe alternância no poder, capitalizando, na oposição, o descontentamento à direita (PSD) e à esquerda (PS), ao mesmo tempo que o partido que governa (seja PS ou PSD) serve rigorosamente os mesmos interesses e cumpre o mesmo programa político, o que, no politiquês dos nossos comentadores, se chama governar ao centro. Ou seja, as eleições servem apenas para refrescar a equipa do Governo, nunca para substituir as políticas do Governo, que seriam sempre as mesmas qualquer que fosse o partido que as vencesse.



Não é, por isso, de estranhar que o líder do PSD se assemelhe muito mais ao jogador suplente, em exercícios de aquecimento, à espera da ordem de substituição por fadiga do jogador titular (leia-se, do primeiro-ministro), do que ao líder da equipa adversária. Aliás, quem ouve falar os dirigentes do PSD não pode deixar de estranhar que todas as suas críticas assentem, basicamente, na fadiga e na incapacidade dos actuais governantes de cumprirem o programa comum (seja, o PEC1, o PEC2 ou o PEC3...).

 

Ora, se o PSD fosse um verdadeiro partido opositor do PS, devia-se bater pela queda do Governo em nome de um projecto alternativo e assente em pressupostos e soluções diferentes. É certo que, se o PSD proceder desta forma, corre um sério risco de perder as eleições, uma vez que a maioria do povo português continua a ser simpatizante da União Nacional Socialista. Mas o PSD tem, obrigatoriamente, de correr esse risco se quer tirar Portugal do pântano onde está atolado.

 

Ao líder do PSD cabe-lhe dizer claramente o que se propõe fazer, sem rodeios e sem medo das palavras e do resultado das eleições; ao povo cabe-lhe escolher e sofrer as consequências da sua escolha (boa ou má). Já chega de partidos de moscas... Precisamos, definitivamente, de partidos de homens e mulheres a sério e sérios, os únicos capazes de limpar a porcaria que os seus antecessores aqui deixaram.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sexta-feira, 10.12.10

A MÃE DE TODOS OS FASCISMOS

Esta esquerda mole, lassa, barriguda e viscosa que se reproduz nos órgãos de comunicação social e engorda nas repartições públicas, é a mãe de todos os fascismos. E, quer se queira, quer não, mãe e filhos são tudo farinha do mesmo saco. 

Santana-Maia Leonardo

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sexta-feira, 29.10.10

SÓCRATES, AO SERVIÇO DA OLIGARQUIA DO REGIME

Henrique Neto - extractos da entrevista ao Público de 4/10/10

*Militante Socialista, 74 anos, desde o Governo de António Guterres, tem participado nos congressos do PS apresentando moções críticas para as políticas na área económica, por as considerar desajustadas das necessidades do país.

 

(…)

Pelo que se ficou a saber, certo é apenas que os portugueses pagarão, em 2011 e nos anos seguintes, os erros, a imprevidência e a demagogia acumulada em cinco anos de mau Governo. É por isso que, nestas circunstâncias, falar da coragem do primeiro-ministro e do ministro das Finanças, como alguns têm feito, é um insulto de mau gosto a todos os portugueses que trabalham, pagam os seus impostos e vêem defraudadas as suas expectativas de uma vida melhor. As medidas propostas, sendo inevitáveis, dada a dimensão da dívida e a desconfiança criada pelo Governo junto dos credores internacionais, não tocam no essencial da gordura do aparelho do Estado e nos interesses da oligarquia dirigente. Mas o pior é que estas medidas, pela sua própria natureza, não são sustentáveis no futuro e não é expectável que, com este Governo, se consiga o crescimento sustentado da economia.

(…)

A consolidação das contas públicas é uma condição necessária mas não suficiente. Apenas o crescimento sustentado da economia abrirá novas perspectivas aos portugueses. Mas, neste domínio, José Sócrates iludiu, durante cinco longos anos, todos os reais problemas da economia através de um optimismo bacoco e inconsciente.
Não o fez apenas por ignorância, mas para servir os interesses da oligarquia do regime, através da especulação fundiária e imobiliária, das parcerias público-privadas, dos concursos públicos a feitio, das revisões de preços e de uma miríade de empresas, institutos, fundos e serviços autónomos, além das empresas municipais. Regabofe pago com recurso ao crédito e sem nenhum respeito pelas gerações futuras.

(…)

A ideia com que se fica é que o primeiro-ministro não leva em conta o interesse nacional, mas os interesses dos grupos de pressão dos sectores financeiro e das obras públicas, o que é a única explicação para a dimensão dos erros cometidos. Estamos a construir mais auto-estradas que ficam vazias e sem carros e um TGV com um traçado que não favorece a economia, ao mesmo tempo que nada foi feito para termos um porto de transhipment e transporte ferroviário de mercadorias para a Europa, investimentos cruciais em logística, para podermos ambicionar atrair mais investimento estrangeiro e desenvolver uma verdadeira capacidade exportadora. Em qualquer caso, contra toda a sanidade económica e financeira, o Governo não parou a maioria das obras programadas e utilizará o fantasma das indemnizações aos empreiteiros para as não parar.

(…)

É inegável que existe um bloco central inorgânico na política portuguesa, que defende interesses privados ilegítimos e permite a acumulação de altos e bem pagos cargos na administração do Estado e nas empresas do regime. O que é facilitado pelo chamado centralismo democrático praticado nos diversos partidos políticos e pela habitual passividade e clubismo do povo português. Nesse capítulo, atingimos o ponto zero da moralidade pública e não vejo como será possível colocar a economia portuguesa no caminho do progresso e do crescimento, com algumas das principais empresas e grupos económicos a poderem ter relações privilegiadas com o poder político e a ser-lhes permitido fugir da concorrência e dos mercados externos, por força do clima de facilidade e de privilégio que detêm no mercado interno.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sábado, 07.08.10

OS GRANDES DESÍGNIOS NACIONAIS DE SÓCRATES

 

TVI - 7/5/2010


O Governo prevê que linha do TGV para Madrid atinja mais de nove milhões de passageiros por ano. Um número de viagens superior ao que hoje existe entre Paris e Londres e também entre as principais cidades espanholas. Esta previsão é um dos pontos mais polémicos do projecto do TGV, Lisboa - Madrid.

A linha de alta velocidade Lisboa-Madrid passa a norte da cidade de Évora. Do lado português terá 203 quilómetros. A maioria do percurso, 437 quilómetros, fica em Espanha.Com estações garantidas em Mérida, Cáceres e Telavera de La Reina.

A nova ligação ferroviária servirá uma população de 2,8 milhões de pessoas na grande Lisboa, 50 mil na região de Évora, um milhão na Extremadura espanhola e tem como principal mercado Madrid, região mais povoada da Península com mais de 6 milhões de pessoas.

A linha servirá uma população de referência de cerca de 10 milhões de pessoas. Mas a RAVE, empresa pública para a alta velocidade, prevê que venham a ocorrer 9 milhões e 300 mil viagens por ano.

A maioria das viagens, a confirmar-se a previsão da empresa portuguesa, será feita em território espanhol. 5,7 milhões, o que corresponde a 61 por cento dos passageiros. Viagens internacionais não chegarão a 30 por cento: 2,7 milhões.

Em território nacional, entre Lisboa, Évora e Elvas a previsão fica-se pelas 820 mil viagens por ano, 9 por cento.

A RAVE acredita que a linha Madrid-Lisboa, que atravessa uma região com 10 milhões de pessoas atrairá 9 milhões e 300 mil passageiros por ano. A verdade é que a linha Madrid-Barcelona, que serve 15 milhões de pessoas com maior poder de compra, só gera, hoje, 5,7 milhões de viagens. E a linha Madrid-Málaga, para uma população de 9 milhões, não atinge os 2 milhões de viagens.

Os especialistas consultados pela TVI lembram: nem o comboio entre Paris e Londres, que só demora duas horas, atinge 9 milhões e meio de passageiros. [...]

 

***********************************

Mas o TGV não é o primeiro grande projecto estruturante de Sócrates

 

Em 1995, José Sócrates tornou-se membro do Primeiro Governo de António Guterres, ocupando o cargo de secretário de Estado-adjunto do Ministro do Ambiente. Dois anos depois, tornou-se ministro-adjunto do primeiro-ministro, com a tutela do Desporto. Foi, nessa qualidade, que se tornou no principal impulsionador da realização, em Portugal, do EURO 2004. Por ter sido um dos governantes com a tutela do Euro 2004 - quando foi ministro-adjunto do primeiro-ministro, durante o I Governo de António Guterres -, Sócrates foi condecorado com a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique.

Tomada a grande decisão da realização do Euro-2004, avançou-se para a construção dos dez estádios de futebol que se traduziram em mais de mil milhões de euros de investimento público total, em nome de um amplo desígnio nacional. O Euro 2004, diziam, iria trazer muitos milhões de turistas a Portugal que constituiriam o pontapé de saída para o arranque decisivo da economia portuguesa.

Entrevista de Sócrates ao Acção Socialista - 19/5/2004

 

AS - "Atendendo a que foi o ministro responsável pela realização em Portugal do Euro 2004, qual o seu comentário ao posicionamento ambivalente do Governo [PSD] face ao evento?" 


Sócrates - "O Governo [PSD] aprendeu. Começou por ter as maiores dúvidas e reservas quanto ao Euro 2004, a fazer-lhe críticas muito pueris, próprias de quem não percebeu nada do que estava em causa. O Euro 2004 não é um torneio de futebol, é muito mais do que isso. É um grande acontecimento que projecta internacionalmente o nosso país. [...]  


AS - "No entanto, passa a ideia que eles [o governo PSD] colhem os louros do Euro 2004 e passam para os governos do PS o odioso, nomeadamente a construção dos dez estádios." 


Sócrates - "Pois, mas a construção dos dez estádios não é um odioso, é um bem necessário ao país. Portugal tinha que fazer este trabalho. É também uma das críticas mais infantis que tenho visto, a ideia de que se Portugal não tivesse o Euro não tinha gasto dinheiro nos estádios. Isso é uma argumentação própria de quem é ignorante. [...] Ouvi recentemente responsáveis pelo Euro dizerem que é já claro, em relação ao que o Estado gastou e ao que recebeu, que estamos perante um grande sucesso económico."

 

*********************************** 


Os proveitos dos 10 Estádios de Futebol do Euro 2004

 

Jornal Público - 7/2/2010

 

Antigamente, na Índia e na Tailândia, o elefante branco era um animal sagrado que não podia ser usado em trabalho. Quando o rei oferecia um destes animais a um cortesão, este tinha de o alimentar, mas não retirava daí nenhum proveito, ou seja, possuía algo muito valioso, mas que só lhe dava despesas, conduzindo-o, muitas vezes, à ruína. É esta a origem da expressão "elefante branco", tantas vezes aplicada aos estádios construídos para o Europeu de futebol de 2004.

O Cidades visitou no último mês os cinco estádios públicos construídos para o Europeu e os autarcas, mesmo sem falarem em "elefantes brancos" olham para essas obras como uma fonte de problemas financeiros. Os números, aliás, não deixam dúvidas. Braga paga seis milhões de euros por ano à banca, Leiria paga cinco milhões anuais só em amortizações e juros, Aveiro despende quatro milhões no pagamento de empréstimos e na manutenção, enquanto Faro e Loulé gastam, em conjunto, 3,1 milhões por ano em empréstimos e manutenção. Coimbra é que menos paga e mesmo assim, este ano, vai transferir para a banca 1,8 milhões de euros. Somando estes valores (e em alguns casos a manutenção não está contabilizada), as seis câmaras que construíram os recintos para o Euro 2004 gastam anualmente 19,9 milhões de euros, ou 54.520 euros por dia, montante que terá tendência para aumentar com a subida das taxas de juro.

E se somarmos o que as câmaras de Porto e Guimarães pagam aos bancos pelos apoios que deram aos clubes locais nas obras dos estádios e acessos, a factura anual das autarquias com os empréstimos e manutenção de estádios do Europeu eleva-se para 26,1 milhões de euros. A autarquia portuense pagou 3,6 milhões de euros em 2009, tendo ainda pela frente 44,5 milhões até 2024. Em Guimarães, a câmara gastou 2,5 milhões de euros no ano passado. Já a Câmara de Lisboa afirma que não contraiu empréstimos por causa do Euro.

Na ronda pelos cinco estádios municipais, algo ficou à vista. Não há, ou pelo menos não houve até agora, soluções para rentabilizar os recintos, de forma a cobrir as despesas que a sua construção gerou. Todas as autarquias têm um pesado fardo anual e nenhuma encontrou "a galinha dos ovos de ouro". Umas invejam o Algarve, porque recebe o Rali de Portugal. Outras Coimbra, porque tem lojas na estrutura do estádio. Outras Braga, porque vendeu o nome do estádio a uma seguradora. E se umas (como Leiria) lamentam que o recinto tenha sido construído no centro da cidade, sem espaço para edificar mais equipamentos desportivos à volta, outras (como Braga e Aveiro) deparam-se com críticas da população, porque os estádios estão fora da cidade. E outras ainda (Algarve) lamentam não ter uma equipa da I Liga a utilizar o recinto.

[...] Carlos Encarnação, presidente da Câmara Municipal de Coimbra, é o único autarca assumidamente contra a construção do estádio. "Nenhum país decente constrói dez estádios para um Europeu", critica aquele autarca do PSD. [...]

"Muitas cidades que queriam o Euro agora dão graças por não ter um estádio", desabafa Raul Castro, presidente da Câmara Municipal de Leiria. "Estes estádios foram pensados para uma realidade que não é a portuguesa. O Estádio de Aveiro leva metade dos [60.000] eleitores da cidade. Está sobredimensionado", acrescenta Pedro Ferreira, presidente da empresa que gere o recinto aveirense, ao que Alberto Souto, antigo presidente da Câmara de Aveiro, contrapõe que 30.000 lugares era a lotação mínima para receber jogos de Europeu.

Com o Europeu de futebol de 2004, o Estado português gastou, pelo menos, 1035 milhões de euros, o equivalente ao custo da Ponte Vasco da Gama. Apurado por uma auditoria do Tribunal de Contas, realizada em 2005, este valor inclui, por exemplo, os encargos com os estádios (384 milhões), acessibilidades (228 milhões), bem como os apoios indirectos das câmaras do Porto (152 milhões) e de Lisboa (59 milhões).

Nas últimas semanas, os gastos anuais com os pagamentos de empréstimos e os custos de manutenção dos estádios têm gerado discussão um pouco por todo o país. O economista Augusto Mateus, que foi ministro da Economia entre Março de 1996 e Novembro de 1997, sugeriu uma solução radical: DEMOLIR.

 

***********************************

 

Miguel Sousa Tavares (Jornal Expresso 07.01.2006)

"Todos vimos nas faustosas cerimónias de apresentação dos projectos da Ota e do TGV, [...] os empresários de obras públicas e os banqueiros que irão cobrar um terço dos custos em juros dos empréstimos. Vai chegar para todos e vai custar caro, muito caro, aos restantes portugueses. O grande dinheiro agradece e aproveita«Lá dentro, no «inner circle» do poder - político, económico, financeiro, há grandes jogadas feitas na sombra, como nas salas reservadas dos casinos. Se olharmos com atenção, veremos que são mais ou menos os mesmos de sempre."

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quarta-feira, 04.08.10

A LEI DA SELVA

Santana-Maia Leonardo - in Nova Aliança 

 

Há cerca de dez anos escrevi o seguinte texto a propósito do crescimento dos partidos fascistas e dos sentimentos xenófobos na Europa, sentimentos esses que agora também começam a aparecer em Abrantes, relativamente à comunidade cigana:

 

«Como já devem ter reparado, hoje quase toda a gente é de esquerda. Da tal esquerda não praticante, bem entendido, que gosta de falar dos pobrezinhos e dos excluídos para aliviar a consciência e ajudar a digestão. E hoje em dia, não há melhor digestivo para um requintado banquete do que as preocupações sociais. Acontece que quem quiser continuar a ser antifascista não pode ser de esquerda. Porque esta esquerda mole, lassa, barriguda e viscosa que se reproduz nos órgãos de comunicação social e engorda nas repartições públicas, é a mãe de todos os fascismos. E, quer se queira, quer não, mães e filhos são tudo farinha do mesmo saco».

 

Não é, pois, de estranhar que os europeus, ao verem os seus líderes a tremer de medo e incapazes de enfrentar os monstros que as suas teorias modernistas conceberam, comecem agora a dar ouvidos aos líderes populistas dos partidos neonazis e fascistas. É no que dá o modernismo, o multiculturalismo e as lideranças frouxas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Domingo, 01.08.10

A CONSTITUIÇÃO ZAROLHA

Santana-Maia Leonardo - in Nova Aliança

 

José Sócrates fez, em Barcelos, uma declaração pública absolutamente assassina para a credibilidade da nossa Constituição.

 

E o que disse José Sócrates?

 

Que, em relação à saúde, existem duas visões completamente diferentes: a do PS, que defende a melhoria do SNS, e a do PSD, que representa um recuo. E é precisamente por que recusa a visão “retrógrada” do PSD, em relação ao SNS, que é contra a revisão constitucional proposta por Passos Coelho.

 

Ora, é absolutamente legítimo e natural que José Sócrates, o PCP e o BE defendam a visão socialista do SNS e critiquem a visão “retrógrada” do PSD.

 

Agora o que já não é legítimo e natural é a Constituição de um país da União Europeia, que deveria defender os princípios de uma sociedade livre, pluralista e democrática, reflectir e amarrar todos os partidos, inclusive os que não se revêem no socialismo, à visão socialista, como decorre claramente desta declaração de José Sócrates.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Perfil

4.jpg



Visitantes


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Quimeras


Alma, Eléctrico!


Livros

Capa - 3ª Edição.jpg

Capa - Frente.jpg

Capa Bocage.jpg 

Capa.jpg 

Eléctrico - Um Clube com Alma.jpg

Mistério Sant Quat (I).jpg


Livros-vídeo


eBooks




calendário

Abril 2018

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D